Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Um estímulo ao aprimoramento dos estudos e aprofundamento no campo de conhecimento, as competições acadêmicas também passaram a se adaptar “ao novo normal”: a fim de valorizar o preparo dos alunos inscritos, o formato online reduziu custos e tornou possível manter acadêmicos mobilizados durante o período de quarentena.

Tradicionais no campo do Direito – algumas competições mobilizam faculdades, escritórios, instituições e associações profissionais. Em sua 1ª edição, a competição de Julgamento Simulado em Direito Eleitoral (I Electoral Moot Court Competition) já estreou no sistema online e teve uma acadêmica amazonense como destaque, eleita a melhor oradora da competição nacional.

Acadêmica do curso de Direito da faculdade Martha Falcão, Graziela Guedes representou o escritório YDB & Advogados, sediado em Manaus. Com experiência acumulada em mais de cinco competições nas áreas de arbitragem e de júris simulados, ela encarou o desafio de um evento na área eleitoral como forma de aprimorar o conhecimento.

“As competições acadêmicas têm se adaptado no formato online, como forma de segurança mesmo. Participar desses eventos é uma contribuição enorme: o preparo e estudo de matérias específicas contribui muito tanto no desempenho acadêmico quanto profissional. Além de ser uma oportunidade de vivenciar aquilo que vamos encontrar durante nossa carreira e conhecer novos profissionais experientes e competentes em seus respectivos ramos”, afirma a aluna que já viajou para Porto Alegre e São Paulo em competições anteriores.

A equipe de Graziela Guedes chegou à final contra a Universidade Federal da Paraíba, sendo classificada em segundo lugar, depois de competir com mais de 50 equipes de todo o Brasil. O evento simulou um julgamento no TSE tendo como pano de fundo um caso sobre cassação de mandato. Os competidores foram avaliados por juízes, desembargadores, servidores da Justiça Eleitoral e, na final, por ministros do TSE.

O evento realizado no mês de agosto foi promovido pela Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (Abradep), pelo Instituto Paranaense de Direito Eleitoral (Iprade) e pela Comissão Especial de Direito Eleitoral da OAB Nacional, com o apoio da Escola Judiciária Eleitoral do Tribunal Superior Eleitoral (EJE/TSE).

O coordenador do curso de Direito da faculdade Martha Falcão, Andrei Sicsu, avalia que, entre as áreas do Direito, a advocacia é um exercício prático que exige muito da “a arte do convencimento”. “Estimular os estudantes a ocuparem esses espaços é também fomentar o desenvolvimento dessas habilidades”, afirma.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •