Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Gazeta Esportiva – Aprovado por unanimidade no início do ano, durante conselho técnico da Série A do Campeonato Brasileiro, o árbitro de vídeo ainda gera polêmica entre os clubes do país. Em participação no programa Mesa Redonda, da TV Gazeta, o ex-árbitro Alfredo Loebeling detonou a forma com que o VAR tem sido aplicado.

“O que acontece é que o protocolo de VAR da Fifa não é o nosso. O torcedor brasileiro está sendo enganado. O VAR brasileiro é um cabide de emprego. São nove pessoas dando opinião dentro de uma sala. Se nós ficarmos aqui, vendo um lance, você vai achar 35 interpretações diferentes. Você precisa ter no máximo um cara de VAR e outro assistente. Só que existem mais dois assistentes, um fiscal, um analista de protocolo. Desculpa, mas vocês estão de brincadeira”, disse.

A lentidão para a tomada de uma decisão por parte do árbitro de campo é uma das principais críticas em relação ao VAR no Brasil. O ex-árbitro falou sobre a demora e comparou com competições europeias que já adotaram o novo sistema.

“Na Europa, enquanto estão comemorando o gol, os caras estão olhando rapidamente o VAR. Aqui você espera comemorar e quando está tudo pronto para sair, demora dois, cinco minutos. O torcedor, que é o produto final aqui no Brasil, na América do Sul, está sendo feito de bobo porque ele comemora o gol, e é anulado, e ele passa a ser o bobo da vez”, concluiu Alfredo Loebeling.

O Brasileirão retorna, após a pausa para a Copa América, no próximo sábado, dia 13. Antes, porém, as quartas de final da Copa do Brasil serão disputadas na quarta e quinta.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •