Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Antonio Palocci mentiu em uma delação premiada e tentou fraudar a Justiça, segundo o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Eros, que Grau atua como advogado pera a família do ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos (morto em 2014), a quem Palocci acusa de tê-lo subornado. 

Palocci afirmou à Polícia Federal em sua delação  premiada que, em 2010, o advogado Marcio Thomaz Bastos lhe pagou propina de R$ 1,5 milhão para que ajudasse a enterrar a Operação Castelo de Areia, que investigava a empreiteira Camargo Corrêa por supostos crimes financeiros e de lavagem de dinheiro.  Thomaz Bastos era advogado da construtora e teria acionado Palocci para atuar junto à cúpula do PT, que então estava no governo federal, e ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) para que as investigações contra a empresa fossem suspensas.  

Em 2011, a corte acatou o pedido e o caso foi arquivado.  

Palocci apresentou como prova do suposto suborno um contrato de consultoria financeira assinado com o escritório do advogado em 1º de dezembro de 2009. Segundo ele, a papelada era fictícia e servia apenas para acobertar o pagamento da propina.  O documento, no entanto, já tinha sido usado pelo próprio ex-petista para se defender em uma outra investigação, aberta em 2011, que investigava as consultorias que prestava para empresários.  

Leia reportagem completa da jornalista Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •