Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Veja – A advogada Karina Kufa deve protocolar nesta quarta-feira no TSE o pedido de registro e o estatuto do Aliança Pelo Brasil, o partido de Jair Bolsonaro.

O Radar teve acesso à última versão do estatuto, com 27 páginas, que será assinado por Bolsonaro, Karina e o advogado Admar Gonzaga. O nome de guerra da legenda será “Aliança” e seu número, como se sabe, será o 38.

Diretório do novo partido de Bolsonaro terá 101 integrantes. Serão “membros natos” do Diretório Nacional “os detentores de mandato eletivo federal pela Aliança e os ex-presidentes filiados”.

Além das áreas tradicionais – tesouraria, conselho de ética, procuradoria jurídica… –, a legenda terá três “órgãos de ação”: “Aliança Mulher, Aliança Jovem e Aliança Inclusiva”.

“A Aliança Mulher, destinada à promoção e difusão da participação política das mulheres, terá direito à utilização de um mínimo de 5% do total que a Aliança receber do Fundo Partidário, a ser depositado diretamente em conta própria, devendo o órgão prestar contas de suas receitas, despesas e atividades à respectiva Comissão Executiva. A Aliança Mulher administrará 30% dos recursos advindos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha, os quais serão encaminhados para conta própria”, registra o estatuto.

Nas convenções, as decisões serão tomadas por aclamação, quando presente o consenso, ou por voto secreto: “As deliberações serão tomadas por voto secreto nas Convenções presenciais, admitida a aclamação quando houver uma só chapa registrada ou quando não controversa a matéria, a critério do Presidente.”

O “Conselho Político Nacional” do partido de Bolsonaro será formado pelo “presidente da comissão executiva nacional, ex-presidentes filiados à Aliança, governadores, prefeitos de capitais, líderes na Câmara e no Senado, além de seis membros eleitos em convenção”.

O partido de Bolsonaro terá canais de internet para divulgação dos gastos da sigla e um setor de compliance: “A Aliança adotará as boas práticas partidárias no prazo de 6 meses contados do deferimento do registro no Tribunal Superior Eleitoral”.

O texto do estatuto ainda pode receber ajustes até que o processo de criação no TSE seja concluído. A sede nacional do partido de Bolsonaro, por lei, será em Brasília.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •