Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Manacapuru – Mais de 20 famílias das 92 que foram retiradas de suas casas em 2008 com promessas de que em 120 dias iriam morar em apartamentos parecidos com o Prosamim de Manaus fizeram uma manifestação na manhã do último domingo cobrando do prefeito Jaziel Nunes de Alencar, o “Tororó” maior celeridade na construção da obra, que já vai completar 6 anos.

A promessa era que seriam construídos 5 blocos com apartamentos e que iriam abrigar as 92 famílias. Na época os responsáveis pelas reuniões com os moradores afirmavam que além dos prédios com os apartamentos, o local ganharia uma praça, um play graund, área seria gramada e arborizada, uma Estação de Tratamento de Efluentes seria instalada para receber toda a água utilizada pelos moradores que depois de tratada voltaria para o canal totalmente limpa.

Com essas propagandas as famílias retiradas do local acreditavam que eles iriam morar em um paraíso. Com faixas e cartazes os moradores fecharam a Rua Tamandaré onde é o local da obra.

Os manifestantes também foram até o prédio da prefeitura no centro da cidade. Uma das moradoras e líder da manifestação, Safira Nogueira do Nascimento 57, reclamar da obra, que vem se arrastando há mias de 6 anos.

“Nós enganaram nos prometeram entrega os apartamentos em 120 dias, vamos completar 6 anos e nada isso é uma vergonha uma obra com verba federal vai chegar aos 6 anos e nada”, disparou Safira.

O prefeito Jaziel Nunes de Alencar disse que vem trabalhando para a continuidade da obra e que conseguiu tira a primeira empresa que começou a obra e colocar outra e que é pouco tempo para conclusão, mas que a obra esta sendo feita e é questão de paciência, pois o problema já existia e ele esta tentando consertar.

”Eu como prefeito estou fazendo o que tem de ser feito dando continuidade a uma obra. Eu sou o menos culpado desse atraso, mas conseguir tira a empresa que iniciou e coloquei outra para dar continuidade” disse o prefeito no local da obra trabalhar cerca de 20 funcionários da nova empresa

OBRA TEVE UM DESAJUSTE

Orçada no inicio com o valor de mais R$ 10 milhões a obra teve um desajuste em 2013, para R$ 6 milhões de reais. O prefeito Tororó afirmou que o dinheiro que restou dar somente para construir dois blocos e que está buscando junto ao governo federal incluir os outros três blocos para o projeto federal Minha casa minha vida.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •