Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Folha de S.Paulo – A fuga de um traficante de drogas ligado à facção brasileira Comando Vermelho na cidade de Assunção, capital do Paraguai, gerou o caos na política do país, revelando a vulnerabilidade da nação vizinha à crise na segurança pública no Brasil.

Na tarde de quarta-feira (11), um grupo de homens armados vestidos com uniformes falsos da polícia paraguaia abriu fogo contra um comboio em que estava o traficante Jorge Teófilo Samudio, conhecido como “Samura”, que conseguiu fugir de carro com o bando.

A operação ocorreu na avenida Costanera Norte, enquanto Samura era transferido de uma audiência no tribunal, cancelada de última hora, de volta para a prisão. O ataque, que durou menos de três minutos, deixou um policial morto e três pessoas feridas, informou o jornal ABC Color.

Samura, 47, é cidadão paraguaio, e foi preso em outubro de 2018 próximo à fronteira com o Mato Grosso do Sul. Ele vinha sendo procurado há pelo menos cinco anos –estima-se que contrabandeava até US$ 20 milhões (R$ 81 milhões) em drogas para o Brasil a cada mês.

O incidente levou à renúncia do ministro da Justiça, Julio Javier Ríos, e a uma troca no comando da polícia. O presidente Mario Abdo Benítez afirmou que pretende emendar a Constituição para autorizar o emprego das Forças Armadas no combate ao crime organizado.

“Não podermos esperar mais, temos uma capacidade ociosa e temos que utilizá-la para fortalecer nossa política de segurança”, declarou Benítez na quinta-feira (12).

O anúncio de Benítez foi alvo de críticas de grupos de defesa de direitos humanos, que temem o retorno das violações praticadas pelas Forças Armadas durante a ditadura de Alfredo Stroessner, encerrada em 1989.

Vidal Acevedo, da ONG Serviço para a Paz e Justiça, declarou ao jornal britânico The Guardian que o uso das Forças Armadas no combate a grupos guerrilheiros no Paraguai produziu “violações de direitos humanos em larga escala”, e que a militarização no combate ao crime organizado em outros países latino-americanos, como México e Brasil, havia gerado “ainda mais violência”.

DEPENDÊNCIA PARAGUAIA

Os eventos desta semana revelam a dependência do Paraguai em relação ao Brasil, e sua vulnerabilidade a eventos ocorridos do lado de cá da fronteira.

O país vizinho, origem de grande parte da maconha e de outros produtos contrabandeados para cidades brasileiras, tem sofrido com disputas entre facções brasileiras, como o Comando Vermelho e o PCC (Primeiro Comando da Capital).

Além disso, no mês passado, o presidente Benítez quase sofreu impeachment após a revelação de um acordo que favoreceria o Brasil na contratação de energia da usina hidrelétrica de Itaipu, que é administrada em conjunto pelos dois países. O acordo acabou cancelado, e Benítez conseguiu se manter no poder.

Com 6,8 milhões de habitantes, o Paraguai é um dos países mais pobres da América do Sul, e tem no Brasil seu maior parceiro comercial.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •