Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Durante reunião com os juízes dos juizados especiais cíveis e criminais realizada no final da manhã desta sexta-feira (18), no Fórum Mário Verçosa, a presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas (TJAM), desembargadora Graça Figueiredo pediu e compreensão apoio dos magistrados e maior celeridade com os processos. Juntamente com ela e os juízes estiveram a desembargadora Carla Maria dos Santos Reis, coordenadora-geral dos juizados especiais, e também Carlos Zamith de Oliveira Júnior, juiz de direito e subcoordenador dos juizados especiais.

Antes mesmo de começar a reunião, a presidente fez questão de esclarecer suas primeiras ações após assumir o cargo. “Essa conversa é para justificar tudo aquilo que já está sendo feito no tribunal. Enquanto colegas, vocês precisam saber a nossa realidade. Recebemos R$ 38 milhões e nossa folha de pagamento está R$ 37 milhões, ou seja, não nós resta dinheiro para quase nada. Por isso que na última semana assinei a portaria que reduz os Grupos de Trabalhos e Comissões e, com isso, valores pagos. É uma maneira que encontrei para que possamos arcar com as dívidas e conseguir ‘chamar’ os juízes do Primeiro Grau e os servidores, ambos concursados. Hoje, nosso déficit no interior atinge 30 comarcas”, disse a presidente.

Logo em seguida, ela destacou a importância dos juizados especiais para a sociedade. “Fomos aprovados pela população, principalmente, pela informalidade. Mas sei que podemos melhorar mais ainda nossos serviços. Estou aqui para pedir a ajuda de vocês, a compreensão de vocês. Somos escolhidos porque conseguimos resolver processos em até seis meses e, mesmo assim, ainda é um processo lento, mas tenho certeza que podemos mudar essa situação com mais rapidez”.

A presidente do TJAM reiterou. “Quero que os senhores me acompanhem e entendam o trabalho que estou realizando. São medidas necessárias para que os primeiros resultados sejam vistos o mais rápido possível e não apenas por nós. A população nos procura para resolver problemas que para nós pode parecer nada, mas para eles mudam vidas”. A reunião seguiu até


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •