REPRODUÇÃO/VÍDEO
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Policiais Militares que agrediram um jovem negro em um shopping no Rio de Janeiro não tinham permissão para fazer o serviço de segurança armada, pois a empresa Moura Corbage Serviços Gerais, da qual são funcionários, não recebeu o aval para exercer a atividade pela Polícia Federal (PF).

Cabe à instituição conceder a autorização para a prestação de trabalhos de vigilância patrimonial, transporte de valores, escolta armada. Dessa forma, a empresa, de nome fantasia Prisma, estaria atuando de forma ilegal.

As informações são do portal Extra. Em nota ao jornal, a PF disse que “a empresa não possui autorização de funcionamento expedida pela Polícia Federal”. Ainda, foi assegurada a instauração de um “procedimento administrativo na data de 10/08/2020, para apurar o fato que, provavelmente, culminará no encerramento formal das atividades de segurança ilegal da empresa”.

No cadastro da Receita Federal, a empresa se autodeclarou prestadora de “serviços combinados para apoio a edifícios”, “atividades de monitoramento de sistemas de segurança eletrônico” e “limpeza em prédios”. Porém, no site da firma, são oferecidos “treinamento de segurança”, “terceirização de mão de obra” e “circuito de câmeras de vigilância”. O portal não descreve nenhuma atividade de “apoio de inteligência”.

Segundo a página oficial, outros três shoppings da Região Metropolitana contratam o serviço de vigilância da empresa.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •