Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam) deu início, na segunda-feira (14), a uma série de palestras voltadas para a manutenção do conhecimento sobre a segurança transfusional no Estado do Amazonas. As atividades são voltadas para os servidores que atuam nas agências e unidades transfusionais da capital e interior. O objetivo é, por meio da atualização dos profissionais, assegurar a segurança e qualidade nos procedimentos hemoterápicos realizados tanto pelo serviço de saúde pública quanto privada no Estado do Amazonas. O ciclo de palestra encerra dia 19 de outubro.

De maneira geral, os procedimentos adotados para transfusão de sangue, tais como análise laboratorial do sangue, teste imunohematológico e etc, seguem a Política Nacional do Sangue. No entanto, há uma preocupação por parte da Fundação Hemoam, que é a instituição responsável pelo provimento de sangue e segurança transfusional do Estado, de atualizar anualmente os profissionais que atuam na hemorrede: médicos, enfermeiros, técnicos e gestores das Agências Transfusionais (ATs). A Hemorrede Amazonas possui 32 ATs na capital e 45 no interior.

“A Fundação Hemoam faz circular mais de 26 mil litros de sangue por ano no Amazonas. Esse sangue precisa ser coletado, manipulado e transfundido com a maior segurança possível para os pacientes, por isso é tão importante estar sempre reciclando o conhecimento dos profissionais que estão na ponta da transfusão realizando esses procedimentos”, destacou a médica hematologista-pediatra e diretora do Hemoam, Socorro Sampaio.

“Quem trabalha com pessoas em momentos delicados de suas vidas sabe o quão importante é a segurança no ato transfusional”, disse a técnica de hemoterapia da Agência Transfusional da Fundação de Medicina Tropical (FMT), Maria de Lourdes de Souza Apolônio, depois de assistir a palestra Gestão e Manejo de Resíduos Hemoterápicos.

Além de exigir e cobrar a utilização dos procedimentos de qualidade, a orientação aos profissionais se estende a incentivar que as agências tenham certificação de proficiência do Ministério da Saúde no ato transfusional. “O ministério certifica anualmente as agências que, por meio de um teste, comprovam que possuem um padrão de qualidade acima da média. Nós estamos incentivando e motivando para que todas as agências do Amazonas conquistem e mantenham esse certificado de proficiência”, destacou o biomédico e mestre em hematologia do Hemoam, Marcelo Reis.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •