Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Gazeta Esportiva – O campeão da Copa do Brasil será decidido nesta quarta-feira (18). No Beira-Rio, em Porto Alegre (RS), às 21h30 (de Brasília), Internacional e Athletico-PR entram em campo para disputar o segundo jogo da final do torneio e definir com quem ficará o troféu. Na primeira partida, o Furacão venceu por 1 a 0 e vai para o confronto em vantagem. Como não há critério do gol qualificado, qualquer vitória do Colorado por um gol de diferença leva a decisão para os pênaltis.

Tentando conquistar o bicampeonato da Copa do Brasil após 27 anos, o Internacional precisa reverter o resultado do jogo de ida. Para isso, o Colorado conta com o apoio de sua torcida e o bom desempenho dentro de casa. Em 2019, a equipe comandada por Odair Hellmann, somou 79,4% dos pontos em 27 jogos disputados como mandante.

De acordo com o volante Rodrigo Lindoso, a calma será um ponto fundamental para que os gaúchos alcancem a virada. “Vamos aprendendo a controlar a ansiedade, já participei de algumas finais e jogos importantes. Não podemos deixar atrapalhar, somos profissionais e temos de controlar isso. O horário do jogo vai chegar, então não precisamos pular etapas, temos que estar focados no trabalho diário e com a cabeça boa. Temos de pensar no que nos trouxe até aqui”, declarou. 

Em relação ao time que vai a campo, a escalação deve ser a mesma da primeira partida. Depois de sentir um desconforto muscular durante os treinamentos do último final de semana, o argentino D’Alessandro figurou entre os relacionados e deve ter condições de jogo.

Precisando apenas de um empate para se sagrar campeão da Copa do Brasil pela primeira vez, o Athletico também deve repetir a equipe do duelo de ida. Assim, o técnico Tiago Nunes pretende fazer com que o Furacão imponha seu estilo de jogo, baseado em troca de passes, mesmo jogando fora de seus domínios.

Em entrevista coletiva, o comandante rubro-negro utilizou as disparidades nas histórias dos dois times para falar sobre a motivação da equipe paranaense. “Os dois clubes têm trajetórias diferentes. O Inter já conquistou todos os títulos, enquanto o Athletico ainda precisa conquistar grandes títulos, como a Libertadores, o Mundial e a Copa do Brasil. Então, a fome do Athletico é grande, é gigante. As particularidades ficam pelo momento das duas equipes, que, dentro das suas características, chegam motivadas para a final”, afirmou.

Os desfalques ficam por conta de Pedro Henrique, que já vestiu a camisa do Corinthians no torneio, Adriano, Abner Vinícius e Everton Felipe, contratados após o prazo de inscrição. Além deles, Thiago Heleno e Camacho, suspensos por dopping, e Bruno Nazário, recém-operado no joelho, seguem fora. O lateral-direito Jonathan ainda é dúvida e a tendência é que o jovem Khellven continue com a titularidade.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •