Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Muitos profissionais da saúde espalhados pelo Brasil estão enxugando gelo. Longe de fazer uma crítica ao maravilhoso trabalho prestado por eles a todas as famílias brasileiras, a afirmação tem endereço certo. Não se dirige aos hospitais ou às unidades de saúde, mas àqueles que tem por responsabilidade gerir a saúde pública no País.

Infelizmente, passados mais de 60 dias desde quando as taxas de contágio da Covid-19 começaram a acelerar no Território nacional, as portas de infecção continuam abertas. Pasmem!!

Vamos aos fatos.

Uma amiga minha deixou Portugal no dia 07 de maio corrente (quinta-feira) pela manhã, juntamente com outros 300 brasileiros. Ela veio pelo vôo da TAP, companhia aérea portuguesa. Só vieram brasileiros nesse vôo.

Próximo da meia noite de quinta-feira mesmo, aterrissou no aeroporto de Guarulhos  em São Paulo.

Após descer do avião, ela se dirigiu ao saguão do aeroporto para pegar suas malas. Depois foi à alfândega apresentar o passaporte para as revistas de praxe.

Ao ser liberada, pegou um táxi e foi para um hotel, pois seu vôo para Manaus seria na noite do dia seguinte, dia 08 de maio (sexta-feira).

Ou seja, desde quando pisou em solo brasileiro, ela não recebeu nenhuma abordagem das autoridades médicas brasileiras. Ninguém questionou nada sobre seu estado de saúde ou, ao menos, mediu sua temperatura. Absolutamente nada.

Pior: isso aconteceu com todos os 300 passageiros que chegaram juntamente com ela de Lisboa.

Na sexta-feira à noite apenas, pouco antes de embarcar para Manaus, é que um filho de Deus mediu sua temperatura, mas ficou nisso. Nada mais.

Ao chegar em Manaus, na madrugada do dia 09 de maio (sábado) a mesma coisa aconteceu. Nenhuma abordagem, nenhuma exigência, nenhum registro. Tudo como dantes no quartel de abrantes.

Novamente, após pegar suas malas, tomou um taxi e foi para sua casa. Tranquilamente.

Imaginemos se ela estivesse contaminada. Entre a descida do avião em Guarulhos e a chegada a sua casa, em Manaus, teria contaminado “meio mundo”. O pessoal da alfândega, os taxistas, o pessoal do hotel e tantas outras pessoas mais. Segundo os protocolos médicos, uma pessoa contaminada pode contaminar até 7 pessoas.

E se também os outros 300 passageiros estivessem contaminados? Seriam mais 2.100 pessoas engrossando as taxas de contágio! E quanto aos passageiros vindos de outras partes do mundo nos outros vôos?

Moral da história: não há controle de absolutamente nada neste País! Nesse time, não há zaga. O goleiro, isto é, os profissionais de saúde, que se virem sozinhos!

E queremos que as taxas de contágio e de mortalidade baixem como num passe de mágica!

Como???

Sem compromisso? Sem esforço? Sem responsabilidade?

Estamos entregues à própria sorte. Não há gestão. Não há planejamento. Não existem estratégias de trabalho. Inexistem coordenações de ações.

Conquanto o País seja de dimensões continentais as poucas iniciativas que existem são realizadas isoladamente e de maneira pontual, tomadas por um ou outro governante.

O caso que acabei de relatar ilustra muito bem o problema. Há muitas janelas de infecção que já deveriam estar fechadas há muito tempo, mas que permanecem escancaradas.  É como se alguém tivesse uma ferida no corpo e continuasse a viver normalmente, sem se preocupar com possíveis focos de infecção. Algo inadmissível em governos que realmente se preocupam com sua população.

Na verdade, a preocupação é outra. Tem gente mais preocupada em proteger a própria família e alguns correligionários políticos do que qualquer outra coisa. Não. Não somos prioridade. Representamos apenas um número eleitoral, que comparece de quatro em quatro anos às urnas para apertar alguns botões e, em seguida, deixar Zona com um comprovante de votação nas mãos.   

Isto é Brasil.

Alipio Reis Firmo Filho

Conselheiro Substituto – TCE/AM e Doutorando em Gestão


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •