Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Pleno do Tribunal de Justiça do Amazonas negou por unanimidade Recurso Ordinário no Agravo Regimental interposto pela defesa de Jimmy Robert de Queiroz Brito, condenado pela 1ª Vara do Tribunal do Júri a 94 anos de prisão pela morte da tia, prima e pai, em janeiro de 2012.

A defesa entrou com recurso depois que o presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas, desembargador Ari Jorge Moutinho da Gosta, negou a anulação do julgamento que condenou Jimmy Robert de Queiroz Brito.

Na sessão do Pleno realizada na manhã desta terça-feira (10), os desembargadores do TJAM acompanharam o voto do relator, desembargador Ari Jorge Moutinho da Costa, pelo improvimento do recurso, de acordo com o parecer do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE).

Jimmy Robert foi condenado a 94 anos de prisão. Seus comparsas, Rodrigo Alves e Ruan Pablo foram condenados a 94 anos e oito meses e 84 anos de reclusão, respectivamente. Os condenados cumprem pena em regime fechado. À época do julgamento, em novembro de 2013, a juíza titular da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Mirza Telma de Oliveira Cunha, negou o direito de recorrer em liberdade.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •