Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O deputado estadual José Ricardo (PT) ressaltou, em seu pronunciamento desta segunda-feira (7), da tribuna da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), a visita que fez na última semana ao Hospital e Pronto-Socorro, da Zona Norte, Delfina Aziz, para observar as obras, as condições de funcionamento, atendimento, proposta desse investimento na área da saúde. “E o principal saber se está realmente concluído, como foi noticiado”, informou o parlamentar.

José Ricardo disse que constatou in loco que a obra ainda não foi concluída, sendo inaugurada apenas uma parte que representa, no máximo, 10% do investimento total da obra como um todo. “Foi inaugurada uma parte da frente do hospital, ainda se percebe obras em andamento, construção de prédios na parte de trás, ou seja, na verdade essa obra ainda não representa o hospital funcionando plenamente. Ele hoje atua como uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA)”, revelou o deputado.

De acordo com José Ricardo, esse hospital não pode nem ser chamado de pronto-socorro, pois não possui centro cirúrgico para atender pessoas de acidentes de urgência. “Não possui estrutura para esse tipo de atendimento e, muito menos, profissionais qualificados para executar esse trabalho”, assinalou o deputado.

José Ricardo assinalou que jamais poderia deixar de fazer suas observações, “crítica e construtiva”, pois o ideal seria que o local fosse inaugurado como um pronto-socorro, se as obras fossem feitas para tal finalidade, mas, de acordo com ele, a pronto-socorro sequer tem uma ambulância. “O deslocamento de pacientes desse local está sendo feito pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que possui outra finalidade, mas está colaborando, devido a falta desse serviço no hospital”, destacou.

O deputado afirmou que foi informado que essa seria a primeira Parceria Público Privada (PPP) a ser instalada em Manaus pelo Governo do Estado na área da Saúde. “Toda a gestão do atendimento, de funcionários, parte médica e parte administrativa não é pública, é privada, portanto, é uma empresa privada que está administrando essa UPA, pois essa obra não pode ser denominada de hospital”.

“Vou encaminhar um pedido de informações à Secretaria de Saúde do Amazonas (Susam) sobre essa Parceria Público Privada (PPP) para saber das responsabilidades dessa instituição contratada, de responsabilidade do Estado, os valores envolvidos no pagamento desses serviços”, afirmou o deputado.

Mais Médicos

O deputado finalizou seu pronunciamento enaltecendo os resultados obtidos com o Programa Mais Médicos implantado no Brasil que, nesse período, atingiu 1,7 milhão de atendimento de pessoas desde o início do programa diretamente. “No Amazonas, o resultado não foi diferente o resultado foi mais que positivo com a atuação de 444 profissionais contratados pelo Programa Mais Médicos, elevando em mais de 70% o número de atendimento. Somente um município do Estado, Uarini, assim mesmo por problemas documentais, não firmou a parceria com o governo federal”.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •