Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Os dois jovens que denunciaram terem sidos agredidos e vítimas de abuso sexual na estação de trem do Maracanã, no Rio de Janeiro, reconheceram nessa quarta-feira (10/07) dois policiais militares como autores da agressão. A Supervia identificou e demitiu dois seguranças que também teriam participado da ação, de acordo com O Dia.

As vítimas, um rapaz de 17 anos e outro de 18, contam que, no último domingo (07/07), foram retirados à força de um vagão por dois homens que se identificaram como policiais. Em seguida, sofreram abuso moral e sexual ao serem obrigados a praticar sexo oral.

Segundo a mãe de uma das vítimas, Djenane Garcia Lima, os adolescentes saíram de Paracambi, na Região Metropolitana. Eles estavam a caminho da estação de São Francisco Xavier, também na zona norte da capital, para comprar drogas quando foram abordados pelos suspeitos dentro dos vagões.

Ainda de acordo com Djenane, os dois foram levados pelos policiais para um ambiente que não tinha câmeras de segurança. No local, dez homens, sendo um funcionário da empresa que administra os trens, forçaram os jovens a praticar o ato sexual entre eles.

O reconhecimento feito pelos adolescentes foi realizado por meio de um álbum de fotografias da Corregedoria da Polícia Militar. A corporação, agora, apura as informações passadas pelas vítimas. Se comprovada a veracidade, o próximo passo é identificar se os PMs estavam ou não de serviço.

De acordo com o delegado Roberto Ramos, titular da 18ª DP (Praça da Bandeira), um inquérito foi aberto para identificar os envolvidos nas agressões, que poderão responder por estupro, tortura e agressão. “Não há vontade dos dois em realizar o ato. A vontade é do agente que filma. Isso configura o crime de estupro”, disse.

Em nota, a PM informa que apura o caso e “a 3ª DPJM já está tomando as devidas providências. Nessa quarta-feira (1/07/2019), o governador Wilson Witzel garantiu que Estado não compactua com crimes. “Não temos bandido de estimação, se é policial militar, se é civil, servidor público. Se praticou alguma infração penal, vai ser apurado com rigor e levado à julgamento”, disse.

Entenda
Supostos policiais militares obrigaram dois jovens a praticar sexo oral próximo à estação Maracanã da Supervia, no Rio de Janeiro, após abordá-los em uma composição. Os dois adolescentes, que contam terem sidos humilhados, tiveram a cena gravada pelos agressores. O vídeo foi colocado na internet.

De acordo com os relatos dos jovens, eles foram abordados no trem por dois homens que se identificaram como PMs. Ambos admitem que são usuários de drogas e que iam comprar maconha em uma comunidade no Rio. Durante a abordagem, no entanto, os garotos não estavam com drogas.

Em seguida, os rapazes contam que foram tirados de dentro do vagão com violência na estação Maracanã. Eles afirmam terem sido vítimas de agressões, ameaças e abusos. Ao todo, seis pessoas participaram da ação, sendo dois policiais e quatro guardinhas da Supervia.

“Mais que humilhação, covardia. Levou a gente para trás da estação. Começou a bater na gente. Jogou spray de pimenta, bateu com a arma na nossa cara, chutou a cabeça. Mandou a gente rolar no mijo, secar o mijo”, contou um dos jovens ao G1. Um deles revelou ainda que, com uma arma apontada para eles, foram obrigados a praticar sexo oral, sob o pretexto de matá-los caso não o fizessem. (Com informações de Metrópoles/R7)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •