O vereador Kelison Dieb (no detalhe) no momento da ação do MP estava portando uma arma de fogo de fabricação caseira (Montagem Fato Amazônico)
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Os vereadores do Iranduba, Kelison Dieb e Jackson Pinheiro, presos em flagrante na quinta-feira (08) no desenrolar da Operação Avaritia (Latin: cobiça), do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público (GAECO), tiveram suas prisões convertidas em preventivas e serão encaminhados ao Centro de Detenção Provisória 2, localizado no quilômetro 8 da BR 184 (Manaus/Boa Vista).

O juiz Túlio de Oliveira Dorinho, de Iranduba, que presidiu a audiência de custódia na tarde desta sexta-feira (9), foi quem converteu as prisões dos vereadores preventiva. Os promotores de Justiça Leonardo Abnader e Cláudio Tanajura (GAECO), acompanharam a audiência.

O vereador Kelison Dieb, no momento que policiais civis cumpriam um mandado de prisão temporária contra o parlamentar o flagraram portando uma arma de fogo de fabricação caseira. Ele foi apresentado no 19° Distrito Integrado de Polícia onde foi lavrado o auto de prisão em flagrante.

Ao cumprirem um mandado de prisão, também temporária, que tinha como alvo o vereador Jackson Pinheiro,  os policiais o flagraram tentando destruir prova, ao jogar o aparelho celular dele no vaso sanitário. O parlamentar antes de ser encaminhado a sede do MP, foi levado ao 19° Distrito Integrado de Polícia onde ele foi flagranteado.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •