Marcelo Ramos pede que seja instaurado processo administrativo para apurar supostas irregularidades no órgão comandado pelo coronel Alfredo Menezes
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Em ofício encaminhado nesta terça-feira, 28, ao ministro da Economia Paulo Guedes, o deputado federal Marcelo Ramos (PL) pede que seja instaurado processo administrativo para apurar supostas irregularidades no contrato de manutenção predial em vigor na Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), comandada pelo coronel Alfredo Menezes, afilhado de casamento do presidente Jair Bolsonaro.

Segundo Marcelo Ramos, o processo contempla a Construtora Brilhante, usada, inclusive, para construção de um muro na Unidade de Descentralização do Acre, Rondônia e cobertura do estacionamento da Suframa.

De acordo com o ofício 001/2020 – GAB,

o valor do contrato, firmado “ilegalmente” por meio de adesão à ata de registro de preços, apresentada pela Brilhante, é de 3,6 milhões de reais.

Ainda de acordo com o deputado, a construtora em questão pertence a um amigo do superintendente da Suframa.

Além do pedido de instauração de processo administrativo, Marcelo Ramos pede, ainda, que cópia da representação seja encaminhada a Controladoria Geral da União  para apuração do direcionamento na contratação da Construtora Brilhante.

“A Superintendência da Zona Franca de Manaus ignorou os pareceres técnicos que chamavam a atenção para a ilegalidade na contratar com a Construtora Brilhante”.

Documento


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •