Reprodução/Instagram
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, publicou imagem no Instagram no sábado (04), na qual incentiva mulheres vítimas de violência doméstica a usarem 1 sinal vermelho na palma da mão como 1 código para pedir ajuda em farmácias e denunciarem a agressão. As informações são de Poder 360.

O sinal faz parte da campanha “Sinal Vermelho Contra a Violência Doméstica”, que  foi lançada pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) e a AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) em 10 de junho e depois adotada pelo governo federal por meio da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres, subordinada ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

A ideia é fazer com que farmacêuticos ou atendentes de farmácias identifiquem o sinal e faça a denúncia imediatamente para a Central de Atendimento à Mulher, o Ligue 180, ou as autoridades competentes.

A publicação da primeira-dama fez parte ainda de 1 desafio virtual lançado pela ministra Damares Alves, que a convocou, assim como a ministra Tereza Cristina (Agricultura), que fez também uma publicação.

Ao cumprir o desafio, Michelle Bolsonaro convidou para participar da iniciativa as primeiras-damas dos governos estaduais:

  • Mayara Noronha Rocha, mulher do governador Ibaneis Rocha (Distrito Federal);
  • Luciana Saito Massa, mulher do governador Ratinho Júnior (Paraná);
  • Gracinha Carvalho Caiado, mulher do governador Ronaldo Caiado (Goiás);
  • Késia Martins da Silva, mulher governador Carlos Moisés (Santa Catarina);
  • Simone Denarium, mulher do governador Antonio Denarium (Roraima);
  • Luana Rocha, mulher do governador Marcos Rocha (Rondônia);
  • Taiana Lima, mulher do governador Wilson Lima (Amazonas);
  • Ana Paula Cameli, mulher do governador Gladson Cameli (Acre);
  • Helena Witzel, mulher do governador Wilson Witzel (Rio de Janeiro);
  • Bia Doria, mulher do governador João Doria (São Paulo);
  • Virginia Mendes, mulher do governador Mauro Mendes (Mato Grosso);
  • Dani Barbalho, mulher do governador Helder Barbalho (Pará).

Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •