Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Uma grande confusão tomou conta da comissão especial que debate a reforma da previdência dos militares. Diante das manifestações dos deputados governistas, em especial do líder do governo na Câmara, Vitor Hugo (PSL-GO), os praças, militares da reserva e parentes de militares causaram grande confusão no colegiado. “Bolsonaro traidor”, foi um dos principais gritos entoados pelos manifestantes.

Um dos principais pontos de atritos do texto está no privilégio às altas patentes. O governo reconhece as vantagens, mas afirma que elas seguem o critério da meritocracia, remunerando proporcionalmente mais, quem tem cargos mais altos, ou seja, quem teria se esforçado mais para crescer na carreira.

O projeto é de relatoria do deputado Vinicius Carvalho (Republicanos-SP) e teve uma importante mudança na sessão da semana passada, amenizando o tempo de transição.

"Bolsonaro traidor"

Diante da reforma dos militares, praças, militares da reserva e parentes de policiais e bombeiros chamam Jair Bolsonaro de traidor.

Posted by Congresso em Foco on Tuesday, 29 October 2019

Segundo o relator, as alterações vieram para trazer aquilo que ele chamou de  “similaridade de sacrifício” aos PMs e bombeiros. Atualmente varia o tempo de serviço mínimo para a aposentadoria. A depender do estado este tempo pode ser de 30 ou 25 anos.

Segundo o texto apresentado, será exigido um mínimo de 25 anos de atividade militar. Já quem precisa cumprir 30 anos de serviço hoje em dia, o pedágio continuará em 17% do que faltar a partir de 2021. Já nos casos em que a regra atual é 25 anos de prestação de serviço, a contagem será no tempo de atividade militar, que subirá quatro meses a cada ano a partir de 2021, até chegar o limite de 30 anos. (Congresso em Foco)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •