Centro de testes de anticorpos contra a Covid-19 na Universidade Keele, em Keele, no Reino Unido - Carl Recine/Reuters
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O número de mortes registradas em todo o Reino Unido recuou para os níveis normais pela primeira vez em três meses na semana que terminou em 19 de junho, com o recuo da pandemia de coronavírus.

Cifras oficiais do Escritório de Estatísticas Nacionais (ONS, na sigla em inglês) indicaram que houve 9.339 mortes na 25ª semana de 2020 na Inglaterra e no País de Gales, 65 menos que na média do mesmo período nos últimos cinco anos. Antes disso houve 13 semanas de mortes acima da média, com a Covid-19 devastando hospitais e casas de repouso.

As estatísticas assinalam o fim da onda de mortes que abalou a sociedade e os políticos britânicos, depois de o país ter começado a crise pensando possuir as melhores políticas públicas de saúde e os melhores protocolos entre os países avançados.

O número total de pessoas que morreram direta ou indiretamente de coronavírus no Reino Unido durante a fase em que as mortes estiveram acima do patamar normal é um pouco superior a 65.200.

Quase uma em cada mil pessoas no país morreu durante a epidemia, tendo de longe o maior risco se manifestado entre os muito idosos, situando o Reino Unido perto do topo de qualquer tabela dos países mais fortemente atingidos pelo vírus (considerando aqueles onde há dados comparáveis).

Desde que o Reino Unido não sofra uma segunda onda, o número total de mortes além do normal para o período provavelmente ainda vai subir um pouco em relação ao total contabilizado até agora, isso porque cerca de 15% das notificações vêm de boletins de médicos legistas, que levam duas semanas para serem incluídas nos registros.

O número total de mortes em excesso do normal registradas durante a epidemia só será plenamente conhecido dentro de meses, mas o estatístico independente Jamie Jenkins, que trabalhou no passado para o ONS, estima que o número será um pouco superior a 69 mil para a pandemia inteira. As informações são de Financial Times e Folha de S. Paulo.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •