Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O promotor Carlos Fábio Braga Monteiro, da 1ª Vara do Tribunal do Júri, denunciou por homicídio, lesão corporal e embriaguez ao volante, ontem o assistente administrativo Renato Fabiano dos Santos Benigno, acusado de madrugada do dia 12 deste mês engavetar a picape S-10, de cor marrom e placas OAK 2643 em um Fiat Strada, de placas JXP 6657, matando José Henrique Monteiro Galvão, de 18 anos e Keylene Moreira de Almeida.

Além de oferecer denuncia, Fábio Monteiro, no mesmo parecer ainda opinou pelo indeferimento da liberdade provisória. De acordo com o promotor “a magnitude do fato em si, a repercussão social havida e a folha de pontos junto ao DETRAN/AM do denunciado, que demonstram, em conjunto, sua índole perigosa no trânsito, ficando patente que a ordem pública deve ser resguardada/protegida e, para tanto, a prisão preventiva há de ser mantida”.

Keylene Moreira foi uma das vítimas fatais no acidente no dia deste mês na Ponta Negra

De acordo com a denúncia a “o acusado agiu com dolo eventual; ele assumiu o risco de produzir o resultado, pois, após estar embriagado, dirigiu veículo, o qual não estava em condições, e, em alta velocidade, atingiu as 05 vítimas, matando duas e lesionando gravemente as demais. Sua atitude, ao tomar o carro foi de total desprezo por eventuais consequências de seus atos”.

O acidente

Na colisão, ocorrida em frente ao quartel da Polícia do Exército, localizado na estrada da Ponta Negra, Zona Oeste de Manaus, quando morreram José Henrique Monteiro Galvão, de 18 anos e Keylene Moreira de Almeida, ainda ficaram feridos Rodrigo de Oliveira Barroso, Weslem Tavares e Silva e Jhony Lemos Rodrigues.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •