O coronel da reserva Antônio Carlos Alves Correia Foto: Reprodução/Facebook
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Ministério Público Federal entrou com denúncia contra o coronel reformado Antônio Carlos Alves Coreia pela prática do crime de incitação à animosidade entre as Forças Armadas e o STF nesta segunda (2).

O crime é previsto na Lei de Segurança Nacional, com pena prevista de reclusão de 1 a 4 anos.

Entre os dias 31 de setembro e 19 de outubro de 2018, Antonio Carlos publicou no Youtube um total de oito vídeos em que incitava as Forças Armadas contra instituições civis, sobretudo o Judiciário.

Antônio Carlos seus ataques se dirigiam, sobretudo, aos ministros Rosa Weber e Gilmar Mendes, além do então ministro de Segurança Pública, Raul Jugmann.

“Hoje eu não tô sozinho, não. (…) Se Bolsonaro não ganhar, pode contar, a intervenção virá. O povo brasileiro vai pra Brasília exigir do comandante de plantão lá no alto comando do Exército”, diz um dos trechos divulgados.

Ele foi alvo de mandado de busca e apreensão, em 26 de outubro. Na época, foi obrigado  a usar tornozeleira eletrônica, por decisão da 5ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, além de manter distância de cinco quilômetros dos ministros da Corte.

Na busca e apreensão, foram recolhidos na casa do coronel oito dispositivos eletrônicos, sendo quatro aparelhos de telefone celular, um HD externo e três computadores portáteis. (veja.com)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •