Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O jovem Clayton Oliveira denunciou na tarde da quinta-feira (13), por meio do Instagram, que foi espancado por um motorista do aplicativo 99 por ser homossexual. Segundo ele, o fato teria ocorrido por volta das 21h da quarta-feira (12), durante uma corrida iniciada no bairro Alvorada, Zona Centro-Oeste de Manaus.

No Instagram, Clayton conta que, no meio da viagem, o motorista do aplicativo identificado como Junior Cruz da Silva perguntou se ele era gay. Ao responder que sim, levou um soco do homem, que disse ter ódio de homossexuais.

“Disse que sim e então começo a ser espancado, levando socos e gritos de que ‘viado precisa morrer’ e que eu precisava disso e eu só sairia de lá depois de morto”, conta.

O jovem relata que, com medo das ameaças de morte, precisou pular do carro, que estava em alta velocidade. “Tentei relutar, puxei pelo menos uma das bolsas que tinha alguns documentos”, afirma. “Ou era isso ou eu estaria morto”.

A vítima contou ainda que o motorista teria dito que voltaria para agredi-lo até a morte. “Ele me jurou que voltaria e me mataria de tanta porrada”, conta.

Após pular do carro, o jovem parou em um posto de combustíveis e pediu ajuda. Na sequência, Clayton foi ao no 19° Distrito Integrado de Polícia (DIP), onde registrou o Boletim de Ocorrência (BO) e foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para exame de corpo de delito.

View this post on Instagram

SIM EU FUI ESPANCADO! Eu simplesmente gostaria de estar fazendo um post super feliz e o quanto o meu dia tinha sido incrível e infelizmente não foi assim. Pensei muito antes de postar qualquer coisa, mas eu preciso compartilhar o que aconteceu comigo e mais do que nunca é preciso! Hoje foi um dia que eu agradeço por estar vivo! SIM EU FUI ESPANCADO POR UM MOTORISTA HOMOFÓBICO DA @voude99 as 21h em plena quarta feira! No final do dia eu só queria voltar pra casa, eu só queria chegar em casa e tomar um banho, Saindo da casa de um amigo na Alvorada, peguei um 99, botei minha mala e as minhas coisas atrás na parte do carro como de costume e sentei na frente. No meio do caminho ele pergunta se eu era GAY, disse que sim e então começo a ser espancado, levando socos e gritos de QUE VIADO PRECISA MORRER E QUE EU PRECISAVA DISSO E EU SO SAIRIA DE LÁ DEPOIS DE MORTO! eu realmente fiquei sem reação, começo a ficar ensanguentado e perguntando o por que daquilo estar acontecendo comigo??? Sem mais forças porque passei o dia cansado com os meus amigos, tentei relutar, puxei pelo menos uma das bolsas que tinha alguns documentos e o carro em alta velocidade TIVE QUE PULAR, ou era isso ou eu estaria morto. Cheio de sangue, sem saber o que estava acontecendo, ele me jurou QUE VOLTARIA E ME MATARIA DE TANTA PORRADA parei em um posto e só sabia chorar, e sangrar, pedi ajuda, gritei, estava todo deformado, simplesmente já não sabia mais o que eu era, como eu era e se deveria estar vivo! O intuito de que apesar de estar doendo, não só pelo físico mas sim pelo emocional porque no final das contas me senti um lixo, pelo simples fato de SER, ainda quero dizer pra vocês que não dá pra se calar, todo cuidado é pouco a conta que eu fui atendido foi por JÚNIOR CRUZ DA SILVA, a gente não pode mais morrer!

A post shared by ⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀ ⠀ ⠀⠀ ℭ𝔩𝔞𝔶𝔱𝔬𝔫 𝔒𝔩𝔦𝔳𝔢𝔦𝔯𝔞 (@_claytonoliveira) on


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •