Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O senador Plínio Valério (PSDB-AM) defendeu nesta quarta-feira (25), em Plenário, a instalação da CPI das ONGs, para investigar organizações que os dirigentes se aproveitam do tema amazônico para ganhar dinheiro. Ele lembrou que o Brasil não é mais colônia, mas querem tratá-lo como se fosse. Ele disse isso, ao se referir às interferências estrangeiras no país.

— Nós não estamos querendo estigmatizar nem demonizar nenhuma ONG. As ONGs boas serão preservadas, assim como a gente separa o joio do trigo, valorizando o trigo, que são as boas e, é claro, investigando o joio, que são ONGs más — disse o senador.

Segundo o parlamentar, 20% do Fundo Amazônia vai para Bahia. Plínio questionou “o que a Amazônia tem a ver com a Bahia?” e informou que existe uma fábrica mantida pela Noruega em Belém. Segundo o parlamentar, a isenção fiscal dessa fábrica foi em torno de R$ 7 bilhões. “Quem deve a quem? Quem enganou quem? Quem está lucrando com quem?”, indagou o senador.

O parlamentar destacou também que o brasileiro precisa conhecer, valorizar e amar a Amazônia, para defendê-la. Ele acrescentou que defender a Amazônia não é aceitar ajuda externa sempre. Para ele, o Brasil é extremamente rico e não “recisa de esmola”.

Fonte: Agência Senado


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •