Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Na última semana, a delegada Juliana Bussacos decidiu não indiciar Neymar por agressão e estupro de Najila Trindade. O motivo: ausência de provas, a começar pelo fato de a acusadora não ter entregue o smartphone que usava no dia do suposto crime. “A delegada quis tirar a bomba do colo dela”, defende-se Cosme Araújo Santos, o quarto advogado de Najila. O caso agora ficará a cargo do Ministério Público. Najila, no entanto, está sendo investigada pela Polícia Civil por comunicação falsa de crime e tentativa de extorsão de dinheiro do pai de Neymar. Ela se mudou com o filho, de 7 anos, para Ilhéus, na Bahia, onde a criança já foi matriculada em uma escola local.

Mas, afinal, por que o celular sumiu de cena? A defesa da moça alega que ele foi furtado, e não explica o insólito fato, para os dias de hoje, de fotos, mensagens de textos e áudios não terem subido para a “nuvem”. Há uma hipótese para o sumiço: Najila não quer revelar a vida que levava muito antes do episódio com o camisa 10 em Paris. Ela trabalhou como garota de programa na Lotus Lounge, um “spa adulto” de São Paulo, no qual atendia pela alcunha de Thayla. O valor do cachê: 300 reais. Procurada, Katia dos Anjos, dona do espaço, não respondeu ao pedido de entrevista de VEJA. Najila também se recusou a oferecer novas informações.

A trupe de Neymar celebrou a provisória vitória fora de campo — no gramado, contudo, houve nova derrota. O brasileiro não apareceu na lista dos dez candidatos a melhor jogador do mundo, anunciada pela Fifa. (veja.com)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •