Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Cadeirante, o piloto de fuga que auxiliava a quadrilha especializada em roubos a residências desmantelada na Operação Black Onix, deflagrada na manhã desta quarta-feira (07/08/2019), chamou a atenção de investigadores da Divisão de Repressão a Roubos e Furtos (DRF) da Polícia Civil. Com informações de Metrópoles.

Apesar de não ter o movimento das pernas, Luis Alves da Silva, 27 anos, era considerado pelo bando um exímio motorista – ele participou de boa parte dos 10 assaltos cometidos pela organização criminosa. Para conseguir guiar o veículo, desenvolveu um sistema artesanal que o permitia movimentar os pedais de embreagem, freio e acelerador.

O carro, um Volkswagen modelo Golf, foi adaptado com conexões de canos de PVC nos pedais: tubos de plástico e madeira eram enroscados e operados manualmente pelo cadeirante.

“Ainda não sabemos exatamente como ele conseguia acionar os pedais, passar a marcha e ainda movimentar o volante, mas é possível perceber, pelas investigações, que se tratava de um motorista habilidoso”, comentou o diretor da DRF, delegado Fernando Cocito.

Além de atuar como piloto de fuga, Luiz Alves não deixou que a deficiência o atrapalhasse a cometer uma série de crimes. Ele já era velho conhecido da polícia, com passagens por roubo à mão armada, três receptações de veículos roubados e dois portes ilegais de arma de fogo.

Alves responde a processos criminais desde 2010, de acordo com a Polícia Civil. “As investigações ainda não foram finalizadas. Vamos apurar a participação de novos integrantes e possíveis crimes praticados, além dos 10 assaltos já identificados no inquérito”, explicou o delegado.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •