Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Na manhã do último sábado (06/06), por volta das 11h30, policiais civis da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) cumpriram mandado de prisão preventiva em nome de um jovem de 24 anos, por ter torturado o próprio filho, uma criança de apenas 1 ano e dez meses. O crime ocorreu na última quinta-feira (04/06), na residência deles, situada no bairro São Jorge, na zona oeste da capital.

De acordo com a delegada Joyce Coelho, titular da Depca, o infrator foi preso na manhã daquele sábado, por policiais militares da 8ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), após a mãe dele informar aos militares a localização do mesmo.

A titular da Depca explicou que caso teve início quando um vídeo em que o infrator aparece xingando e agredindo fisicamente o próprio filho viralizou nas redes sociais. Diante da repercussão na internet, as equipes da Depca tiveram conhecimento do caso e iniciaram os procedimentos de diligências, afim de apurar e localizar todos os envolvidos na ocorrência.

“Durante as investigações, nós conseguimos entrar em contato com a mãe da vítima e ex-companheira do infrator, que foi conduzida à sede da Depca para formalizar a denúncia. Em depoimento, ela afirmou que havia se separado do ex-companheiro há pouco tempo, e que, após acordo verbal, ele havia ficado com a guarda do filho mais novo. A mãe da vítima alegou, ainda, que o infrator havia lhe enviado o vídeo com o intuito de atingi-la psicologicamente”, explicou a delegada Joyce. 

Conforme a titular da Depca, diante dos fatos, foi solicitada a prisão preventiva em nome do jovem de 24 anos. Segundo a delegada, o indivíduo já estava cumprindo pena em regime semiaberto, por um roubo cometido em setembro de 2019. No entanto, por ter rompido a tornozeleira eletrônica, já havia uma determinação judicial em nome dele para que ele tivesse a regressão de pena para regime fechado.

“Como o indivíduo não estava mais em situação de flagrante, descobrimos que ele tinha uma determinação de regressão de pena por ter rompido a tornozeleira eletrônica. Rapidamente entramos em contato com a juíza Sabrina Cumba Ferreira, da Vara de Execuções Penais (VEP), que expediu o mandado de prisão pelo descumprimento de medidas cautelares impostas a ele. Paralelo a isso, solicitei junto a Justiça o mandado de prisão pela tortura ao filho”, destacou a titular da Depca. 

A ordem judicial pelo crime de tortura foi expedida naquele mesmo sábado (06/06), pela juíza Susi Irlanda da Silva, do Plantão Criminal. As informações são de Assessoria de Comunicação da Polícia Civil.

Com medo da morte, mãe entrega localização de filho que agrediu criança e filmou, em Manaus


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •