Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Gazeta Esportiva – O Palmeiras planeja trabalhar com um elenco formado por 30 jogadores em 2020. Para cumprir a meta e ainda fazer contratações pontuais, o clube precisará se desfazer de alguns atletas e um dos parâmetros do processo será tentar evitar o que o gerente de futebol Cicero Souza chama de “depreciação”.

“Decidimos manter o elenco com 30 jogadores da seguinte forma: não ter tanta sobreposição em algumas posições. Vivemos em um país muito depreciativo. Então, quando joga o Lucas Lima, (perguntam) o que está havendo com o Scarpa? Aí, quando jogam Lucas e Scarpa, (perguntam) o que está havendo com o Zé Rafael?”, disse Cicero à Rádio Gaúcha.

Na página do elenco de seu site oficial, atualizada na última semana, o Palmeiras conta com 33 jogadores e tem algumas posições superpopulosas – há três laterais esquerdos, sete volantes e oito atacantes, por exemplo. Entre os atletas que podem sair, estão Carlos Eduardo, Deyverson e Hyoran, entre outros.

“Não cabe todo o mundo no time e entendemos que, se você deixar alguém fora por seis ou sete jogos, até do banco de reservas, a depreciação externa é muito grande e o jogador também entra nessa depreciação”, disse Cicero Souza, completando o raciocínio.

Com orçamento menor em comparação com as últimas temporadas, o Palmeiras decidiu aproveitar os talentos formados nas categorias de base e iniciará os trabalhos nesta segunda-feira com nove pratas da casa, entre eles o promissor Gabriel Veron. As contratações, assim, serão poucas.

“Viemos caminhando em um trabalho de categoria de base muito forte e, pela qualidade da formação, sabemos que podemos reduzir um pouco o número dos jogadores de mercado e introduzir os atletas de base. Então, nossas movimentações serão pontuais e feitas nos momentos apropriados”, afirmou Cicero.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •