O Pr. Victor Bet Tamraz e Amin Afshar Naderi foram condenados à prisão, no Irã. (Foto: Reprodução / Mohabat News)
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Tribunal de Apelações da República Islâmica confirmou recentemente as sentenças do Rev. Victor Bet-Tamraz e sua esposa Shamiram Issavi. Eles foram condenados a dez e cinco anos de prisão, respectivamente, segundo o Artigo 18, que cobre notícias sobre os direitos das minorias no Irã.

O casal foi acusado de “atividade evangélica”, “agindo contra a segurança nacional ao criar e administrar igrejas domésticas”.

No mesmo caso legal, três outros cidadãos cristãos recém-convertidos também foram julgados e receberam sentenças longas.

O processo contra o pastor Victor Bet-Tamraz e sua esposa, Shamiram Issavi, data de três anos atrás. Eles foram oficialmente obrigados a se apresentar às autoridades da prisão em cinco dias, mas, de acordo com a Portas Abertas, deixaram o Irã horas antes da sentença de prisão.

Culpado de ‘participar de uma igreja doméstica’

Seis anos atrás, durante uma festa de Natal, o pesadelo começou na vida do casal. Dez policiais à paisana entraram na casa de Victor e confiscaram muitos itens pessoais, incluindo Bíblias, telefones celulares e documentos de identificação.

Os policiais disseram que estavam participando de uma “reunião ilegal e não autorizada” e os forçaram a preencher formulários. Eles os filmaram explicando por que se reuniram.

Após várias horas de filmagem e interrogatório, os agentes prenderam Victor, Amin Afshar-Naderi e Kavian Fallah-Mohammadi e os transferiram para a prisão de Evin, onde foram mantidos em confinamento solitário por 65 dias.

Três anos depois, os convertidos foram finalmente sentenciados ao lado de seu pastor e um terceiro convertido, Hadi Asgari, em julho de 2017 – considerado culpado por sua participação em “igrejas domésticas”.

Enquanto isso, a Sra. Issavi foi condenada a cinco anos de prisão em 2018 sob as acusações de “pertencer a um grupo para perturbar a segurança nacional” e “reunião e conivência para cometer crimes contra a segurança nacional”.

“O pastor Bet-Tamraz e Shamiram Issavi são inocentes das acusações apresentadas contra eles, mas como outros cristãos em sua posição, eles foram condenados por exercer seu direito à liberdade de religião ou crença”, disse Mervyn Thomas, presidente-executivo da Christian Solidarity Worldwide (CSW).

Direitos humanos

Ao longo dos anos, as organizações de direitos humanos pediram repetidamente um julgamento justo para os cristãos iranianos.

Em fevereiro de 2017, quatro relatores independentes de direitos humanos da ONU alertaram sobre “grave discriminação” contra as minorias religiosas iranianas. Eles pediram às autoridades da República Islâmica que garantissem que os julgamentos dos cidadãos cristãos fossem justos.

A constituição da República Islâmica apenas reconhece os seguidores das três religiões do judaísmo, zoroastrismo e cristianismo como minorias religiosas. Mesmo assim, nenhum deles, nem mesmo os muçulmanos sunitas iranianos, podem realizar seus rituais com total liberdade. Com informações do portal Guiame.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •