Delegada Deborah Barreiros
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Policiais civis da 5ª Seccional centro-sul e do 12º Distrito Integrado de Polícia (DIP), coordenados pelos delegados Deborah Barreiros e Mauro Soares, titulares das respectivas unidades policiais, prenderam, na quinta-feira (06/08), um mecânico,58 anos, em razão de sentença condenatória. O indivíduo foi condenado a 23 anos de reclusão por abusar sexualmente da filha da ex-companheira dele, que, na época da denúncia, em 2011, tinha apenas oito anos.

Durante coletiva de imprensa, na sexta-feira (07/08), às 14h30, no prédio da unidade policial, na avenida Nilton Lins, bairro Flores, a delegada Deborah Barreiros informou que os atos criminosos ocorreram em reiteradas ocasiões e muito antes da denúncia ter sido formalizada, quando a vítima era ainda mais nova.

“Os abusos sexuais tiveram início depois que o indivíduo passou a manter um relacionamento amoroso com a mãe da vítima. Ele aproveitava os momentos em que ficava sozinho com a criança, quando a mãe dela saía para trabalhar, e consumava os atos criminosos”, disse a delegada.

Ainda de acordo com a autoridade policial, em 2011, um familiar acabou descobrindo o que estava ocorrendo e formalizou a denúncia. A menina relatou que era abusada há bastante tempo e que ele oferecia uma pequena quantia em dinheiro para que ela permanecesse em silêncio.

Prisão – A titular da 5ª Seccional explicou que as equipes policiais obtiveram informações, por meio de denúncia anônima, acerca do paradeiro do infrator que se encontrava nas proximidades do bairro Santo Antônio, na zona sul da capital.

“Realizamos diligências pela área informada e conseguimos cumprir o mandado de prisão em nome do homem. A ordem judicial foi expedida no dia 29 de julho deste ano, pela juíza Bárbara Folhadela Paulain, da 2ª Vara Especializada em Crimes contra a Dignidade Sexual de Crianças e Adolescentes”, informou Deborah.

Procedimentos – O infrator foi condenado a 23 anos de prisão em regime fechado por estupro de vulnerável. Após os procedimentos cabíveis na unidade policial, ele será encaminhado para a Central de Recebimento e Triagem (CRT), onde ficará à disposição da Justiça.

Com informações da assessoria da PC


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •