Selma Arruda, que ficou conhecida como a “Moro de saias”, deixou o PSL rumo ao Podemos (Foto Waldemir Barreto/Agência Senado)
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Desde o fim da ditadura, o MDB ostenta a maior bancada de representantes no Senado e parecia não enxergar nenhuma outra sigla se aproximando no espelho retrovisor. Com uma política agressiva de atrair ovelhas desgarradas de outros partidos, o Podemos está chegando perto e, mantido o ritmo atual, tem tudo para atropelar o líder. Desde o início do ano, a legenda aumentou sua bancada na Casa de cinco para onze representantes. A mais recente filiação ocorreu na quarta-feira 18, quando a juíza Selma Arruda, que ficou conhecida como a “Moro de saias”, deixou o PSL rumo ao bloco.

Em julho de 2017, quando foi rebatizado (antes se chamava PTN), o Podemos tinha apenas dois senadores: Alvaro Dias e Romário. De lá para cá, elegeu somente mais um parlamentar (Oriovisto Guimarães). Como se vê, é ruim de voto, mas bom na cooptação.

As lideranças do Podemos atiram a rede nas mais diferentes direções. Nessa linha, a turma conversa no momento com Major Olimpio, representante destacado da bancada da bala e em litígio com o PSL, e tenta seduzir também Flávio Arns, da Rede, defensor de pautas como a liberação do uso da cannabis para fins medicinais.

A falta de coesão ideológica é minimizada pela presidente da sigla, Renata Abreu. “Estamos unidos por bandeiras como a luta contra a corrupção”, diz. Detalhe: a recém-filiada Selma Arru­da foi cassada por uso de caixa dois e recorre para o TSE a fim de não perder o mandato.

A resposta para o milagre da multiplicação da sigla pode estar relacionada ao impacto disso sobre os cofres do partido. O Fundo Eleitoral deve destinar ao Podemos em 2020 mais de 70 milhões de reais, o dobro do valor recebido em 2018. Já para 2022 o sonho de consumo é a filiação do ministro Sergio Moro, convidado “várias vezes” por Alvaro Dias, fã do ex-juiz da Lava-Jato. “Seria uma honra tê-lo no Podemos, é um grande nome”, afirma Renata Abreu. Sim, sempre cabe mais um. (veja.com)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •