Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Comissão de Geodiversidade, Recursos Hídricos, Minas, Gás e Energia da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) centralizou sua atuação, no primeiro semestre de 2014, no debate em torno da implantação de um polo naval em Manaus e a exploração mineral do calcário agrícola e do potássio.

Na avaliação do presidente da Comissão, deputado estadual Sinésio Campos (PT), o semestre foi produtivo por conta da realização de audiências públicas e debates. “Nas audiências públicas destravamos o debate em torno do polo naval, que hoje está caminhando a passos largos e deve ganhar também com a prorrogação da Zona Franca de Manaus (ZFM), mostrando a importância e buscando soluções para uma implantação efetiva”, lembrou.

Sobre o setor mineral, o deputado declarou que a exploração do calcário agrícola foi finalmente consolidada. “Essa consolidação é um grande marco, visto que o Amazonas começa a deixar de ser dependente do preço abusivo praticado anteriormente – que era em torno de R$ 550, R$ 600 – e hoje está ao alcance do pequeno e médio produtor ao preço de R$ 160”, exemplificou, enfatizando a implantação da primeira fábrica de calcário agrícola em Manacapuru (a 68 km de Manaus).

A utilização do potássio na agricultura local está em pauta na Aleam há cerca de 12 anos. “As pesquisas revelam que o Amazonas pode ser o celeiro na produção de alimentos, não como produtor de grãos, mas como produtor de fertilizantes e adubos, fornecendo fertilizantes para o agronegócio brasileiro”, citou o deputado.

Para o segundo semestre de 2014, o deputado declarou que será dada sequência aos debates, incluindo a discussão sobre novas alternativas de captação de água. “O trabalho da Comissão é justamente diminuir esse fosso entre as demandas da sociedade e a solução destas demandas pelo poder executivo. O abastecimento de água também será um foco da comissão, para buscar outras fontes de água de qualidade para a população”, afirmou.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •