Papa Francisco durante audiência no Vaticano. Foto: Vincenzo Pinto
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O prazer sexual vem de Deus e os cristãos devem aproveitá-lo. Assim como comida boa.

As declarações, que em outros tempos poderiam render até a morte na fogueira, foram dadas pelo papa Francisco e reveladas em um novo livro publicado nesta quarta-feira (9) na Itália.

“O prazer vem diretamente de Deus, não é católico, nem cristão, nem nada parecido, é simplesmente divino”, afirma o pontífice na obra.

“O prazer de comer serve para manter uma boa saúde, da mesma forma que o prazer sexual serve para embelezar o amor e garantir a continuidade da espécie”, diz Francisco. “O prazer de comer e o prazer sexual vem de Deus”, completa.

As afirmações fazem parte do novo livro do escritor italiano Carlo Pertini, que reúne uma série de entrevistas feitas pelo autor com o pontífice. Na obra, o papa critica o que classifica como uma “moralidade abençoada”, que rejeita a noção de prazer, e reconhece que a Igreja Católica já apoiou esta visão.

Para Francisco, porém, isso é “é uma interpretação errada da mensagem cristã” que já “causou enormes danos, que ainda são perceptíveis em alguns casos”.

“A Igreja condenou os prazeres desumanos, grosseiros, vulgares, mas por outro lado sempre aceitou os prazeres humanos, sóbrios, morais”, afirma o pontífice quando questionado sobre o assunto por Petrini.

O escritor também é o criador do “slow food”, movimento que defende uma culinária de qualidade e se opõe ao fast food.

Ainda não há previsão de quando o livro, “TerraFutura: Dialoghi con Papa Francesco sull’Ecologia Integrale” (TerraFutura: conversas com o para Francisco sobre ecologia integral), saírá em português.

Desde que virou papa em 2013, Francisco tem chamado a atenção por dar declarações sobre temas historicamente polêmicos dentro da Igreja Católica —incluindo a homossexualidade e o divórcio. Com informações de Folha de S. Paulo.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •