Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, lançou, na manhã de ontem, 21, a linha de crédito para financiamento e capital de giro, mediante a formalização de pequena empresa, para os ex-camelôsque fazem parte do projeto Galerias Populares. O evento foi realizado no Café Teatro Les Artistes, Centro, e a ação acontece em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e Banco da Amazônia (BASA).

Todos os 2.082 camelôs cadastrados junto à Secretaria do Centro (Semc) serão contemplados. A liberação de crédito será realizada por etapas. Na primeira fase, os 324 trabalhadores que vão ocupar a galeria definitiva Espírito Santo vão ter acesso ao programa. Os valores variam de R$ 2.500 a R$ 15 mil na linha de capital de giro e de R$ 2.500 a R$ 5.000 na linha de investimentos.

“Nós estamos avançando muito. A galeria Espírito Santo está ficando pronta e depende apenas da entrega de um material que vem de fora. Essa parceria com Sebrae e Basa é importante porque vai tirar esses trabalhadores da informalidade. É a nossa contrapartida por eles terem contribuído tanto com a nossa cidade e isso traz uma perspectiva de crescimento e de um futuro bem melhor”, afirmou o prefeito Arthur Neto.

Como o Sebrae é responsável pela capacitação e promoção do desenvolvimento, vai orientar a categoria para que o acesso ao crédito seja, de fato, um instrumento de melhoria do negócio. A capacitação acontece por meio de oficinas presenciais e à distância, cartilhas, áudio-livros e mensagens por celular. Além das linhas de crédito e financiamento, os microempreendedores passarão a ter direito a aposentadoria por idade e por invalidez, auxílio-doença e salário-maternidade, mediante o pagamento do carnê cidadania (DASN-SIMEI).

“A linha de crédito será disponibilizada pelo Basa e nós temos a tarefa de elaborar o plano de negócios que compreenda todos os requisitos que são necessários junto com a documentação para eles terem acesso a esse crédito. O primeiro ponto é o registro da firma, depois eles participem de pequenos cursos com duração de três horas e a partir daí eles vão ao banco fazer a solicitação do crédito”, declarou Douglas Mousse, gerente de atendimento do Sebrae-Am.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •