Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Para proporcionar aos professores de Arte da rede municipal de ensino uma manhã de conhecimento prático, a Prefeitura de Manaus realizou na quarta-feira, 30/7, a 3ª Formação Continuada de Arte, com um passeio pelas praças de Manaus. Aproximadamente 50 professores da Secretaria Municipal de Educação (Semed) participaram da atividade extraclasse que contou com a parceria do Polo Arte na Escola da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). 

O evento foi organizado pela Divisão de Desenvolvimento do Profissional de Magistério (DDPM) da Semed. De acordo com a formadora e mestre da DDPM, Raquel Matos, a atividade foi de educação patrimonial e buscou alinhar teoria e prática, visto que as praças são construções arquitetônicas urbanas que têm um legado histórico importante para Manaus.

“Nossas parcerias buscam sempre agregar conhecimentos que ultrapassem as paredes. É muito enriquecedor vir até o local de estudo, a formação se torna mais atrativa e o professor fica bem mais motivado a compartilhar com os alunos toda essa experiência. E na próxima vez o professor poderá organizar uma atividade como esta com os alunos também”, comentou Raquel. 

O grupo visitou as praças São Sebastião, da Polícia e a Dom Pedro II. Em todas foram observadas as fachadas das casas e prédios que compõem com elementos arquitetônicos as praças da cidade. A doutora em Artes da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Evany Nascimento, foi quem explicou para os participantes sobre as estruturas dos locais, como no Largo São Sebastião, com o Monumento de Abertura dos Portos, que no alto existe uma estátua que simboliza a Amazônia.

“Esta atividade é rica em conhecimento e o professor pode trabalhar a Arte de várias formas, principalmente nas artes visuais. Durante o percurso, eles (professores), perceberam a riqueza de elementos artísticos disponíveis na nossa cidade e isso pode ser incorporado nas aulas, na história da arte ou mesmo da cidade e com isso recuperar o sentido simbólico e artístico das obras que os espaços públicos têm”, explicou a doutora. 

Os professores fizeram um percurso educativo, que poderá também ser utilizado com os alunos, por meio de atividades in loco, pesquisas e documentários. “Esta formação foi maravilhosa porque a gente sai um pouco da sala de aula e vivencia sobre temas que discutimos sempre com os nossos alunos. A partir daqui, podemos viver com os nossos adolescentes tudo que estamos conhecendo, já que Manaus é considerada um museu a céu aberto”, falou o professor Domingos Rocha, da escola municipal Raimundo Teodoro Botinelly Assumpção, no Riacho Doce, na zona Norte. 


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •