Foto: Isac Nóbrega/PR
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O presidente Jair Bolsonaro está usando seu número pessoal de WhatsApp para convocar seguidores para o ato do próximo dia 15 de março contra o Congresso Nacional. A manifestação possui forte teor golpista, já que alguns panfletos têm evocado o AI-5 e pedido a saída dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre.

O vídeo, compartilhado pela jornalista Vera Magalhães, traz imagens da facada sofrida por Bolsonaro em 2018, durante ato em Juiz de Fora, e diz que presidente “quase morreu” para salvar o país. Dessa forma, o vídeo pede que as pessoas saiam às ruas no dia 15 de março para defender o presidente, assim como pressionar o Congresso.

No texto que envia junto com o vídeo, Bolsonaro escreve: “15 de março, Gen Heleno/Cap Bolsonaro. O Brasil é nosso, não dos políticos de sempre”. O vídeo usa ainda o Hino Nacional tocado no saxofone como trilha sonora.

“Ele foi chamado a lutar por nós. Ele comprou a briga por nós. Ele desafiou os poderosos por nós. Ele quase morreu por nós. Ele está enfrentando a esquerda corrupta e sanguinária por nós. Ele sofre calúnias e mentiras por fazer o melhor para nós. Ele é a nossa única esperança de dias cada vez melhores. Ele precisa de nosso apoio nas ruas. Dia 15.3 vamos mostrar a força da família brasileira. Vamos mostrar que apoiamos Bolsonaro e rejeitamos os inimigos do Brasil. Somos sim capazes, e temos um presidente trabalhador, incansável, cristão, patriota, capaz, justo, incorruptível. Dia 15/03, todos nas ruas apoiando Bolsonaro”, diz o texto do vídeo, que é intercalado por imagens de Bolsonaro sendo esfaqueado, no hospital e depois em aparições públicas.

As primeiras convocações para o ato vieram de grupos como o “Movimento Brasil Conservador” e “Movimento Conservador”, ambos ligados ao clã Bolsonaro, logo depois que o ministro Augusto Heleno desabafou sobre supostas “chantagens” do Congresso Nacional contra o governo. Desde então, passaram a circular nas redes sociais panfletos do ato pedindo o fechamento do Congresso e a instauração de um novo AI-5 para “faxina geral” no legislativo.

Outro panfleto, assinado por “movimentos patriotas e conservadores”, também traz fotos do general Heleno, do vice-presidente, Hamilton Mourão, e de outros generais com cargos públicos convocando para ato. No texto, há a frase “os generais aguardam as ordens do povo” e, em seguida, “Fora Maia e Alcolumbre”. Nem Heleno nem Mourão repudiaram o uso de suas imagens no panfleto.

Reações

A participação de Bolsonaro na convocação para o ato preocupou parlamentares, governadores e demais personalidades públicas ligadas à política. O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), escreveu no Twitter que a situação é “extremamente grave”.

“Extremamente grave que altas autoridades civis e militares estejam apoiando atos políticos contra os Poderes Legislativo e Judiciário. Os defeitos destes tem que ser enfrentados de acordo com as leis, não com coação. Lembrando que tal coação constitui crime de responsabilidade”, escreveu.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), também declarou que a manifestação é uma afronta a democracia. “É mais um equívoco do governo Bolsonaro apoiar uma iniciativa como essa”, disse ele, de acordo com o Antagonista. “Essa iniciativa afronta a democracia. Sou totalmente contra”, completou. (Revista Fórum)

Confira o Vídeo


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •