Deputado Josué Neto, presidente da Assembleia Legislativa do Estado (Foto Divulgação)
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), deputado Josué Neto (PRTB), disse nesta quarta-feira (15), que o obscuro veto à lei do gás imposto acintosamente pelo governador Wilson Lima não só afronta a autonomia do Poder Legislativo mas, sobretudo, os interesses do povo do Amazonas.

De acordo com o parlamentar, após vetar o projeto exaustivamente discutido e aprovado pela Aleam, Wilson Lima criou uma Comissão formada por órgãos do Executivo, Judiciário e Legislativo para debater sobre a nova lei do gás.

Segundo ele, o grupo elegeu o deputado Sinésio Campos (PT) como relator que desenvolveu um novo Projeto de Lei que abre o mercado do gás e tira o monopólio da Companhia de Gás do Amazonas (Cigás).

Conforme lembrou Josué Neto, o governador finge que nada está acontecendo, falando da “inconstitucionalidade”, que passou na Comissão de Constituição e Justiça, e foi aprovada por unanimidade no segundo momento da votação.

“Ele ainda está lá no tempo de Nárnia há 70 dias. Ele continua míope, no mundo que não existe, o mundo que não é o tempo real. Ele peca por falta de caráter. Tudo para ele é um balcão de negócios, política e assuntos sem qualquer relevância para a sociedade.”, disse.

O relator do projeto, deputado Sinésio Campos, citado pelo presidente da Aleam, afirmou que, mesmo com a contribuição de todos os membros da comissão, o PL foi trabalhoso e extenuante.

“A nova lei rompe com as amarras, liberta o Amazonas do jugo sob o controle do  baiano Suarez”, ressaltou.

Josué voltou a alertar que nas próximas duas semanas a Petrobras e a ANP farão um leilão de 16 blocos exploratórios de gás no Amazonas e que, sem a quebra do monopólio da Cigás, as empresas multinacionais e nacionais dificilmente participarão devido aos prejuízos estimados com a legislação atual.

Sem novas empresas, ele disse que o Amazonas perderá a oportunidade de gerar 36 mil novos empregos e investimentos na ordem de R$ 3 trilhões nos próximos dez anos.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •