Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Segundo matéria publicada na Folha de S.Paulo, análise de documentos relativos aos 28 anos de atividade parlamentar de Bolsonaro, de 1991 a 2018, mostra rotatividade salarial atípica de funcionários, que atingiriam cerca de um terço das mais de 100 pessoas que trabalharam em seu gabinete.

Por meio do Twitter, Randolfe afirmou que pedirá investigação ao Ministério Público Federal sobre o “vaivém” no gabinete de Bolsonaro, que para o senador pode se configurar na “prática da rachadinha” – esquema de corrupção que ocorre quando funcionários de um gabinete devolvem parte de seus salários para um político ou assessores. 


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •