Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Considerado referência nacional pela Fundação Itaú Social e pelo Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável (Cieds), o Programa Tutoria Educacional (PTE), da Prefeitura de Manaus, completa quatro anos. Nesse período, foram atendidos quase 600 professores em estágio probatório, estando presente em 275 unidades escolares do município e beneficiando mais de 41 mil estudantes, direta e indiretamente.

“É mais uma medida inovadora na educação municipal e que, sem dúvida, reflete na qualidade do ensino prestado aos nossos alunos. Como prefeito, fico muito satisfeito com o trabalho da equipe da Semed e, como cidadão manauense, fico muito orgulhoso em saber que as nossas escolas estão avançando e melhorando suas ações pedagógicas”, destacou o prefeito Arthur Virgílio Neto.

O programa surgiu, em 2015, a partir da necessidade de formação e acompanhamento dos professores em estágio probatório, identificada pelo Projeto de Expansão e Melhoria Educacional da Rede Pública Municipal de Manaus (Proemem), com o intuito de fortalecer as práticas educativas, o desenvolvimento profissional do educador e promover a melhoria do processo de ensino e aprendizagem dos alunos.

Em 2017, a tutoria ganhou uma expansão e passou a ser voltada não apenas ao docente recém-ingresso na Secretaria Municipal de Educação (Semed), mas também às lideranças pedagógicas, a fim de realizar formação com a equipe gestora, para construir e consolidar uma rede colaborativa de aprendizagem.

“A experiência alcançada aqui em Manaus tem sido bastante inspiradora para outros municípios e Estados do país. O estágio probatório pode ser um período que o professor tenha condições de, ao ingressar na rede, possa desenvolver melhor seu potencial e suas competências profissionais”, destacou, a especialista em Educação da FIS, Sonia Maria Barbosa Dias.

Segundo a gerente de Governança do Cieds, Roselene Souza, as ações implantadas na rede municipal de Manaus se destacam em relação a outras do país por ter criado uma coordenação com formadores em tutoria, que vão até a escola atender e orientar o professor em relação ao currículo educacional. “Isso é muito personalizado, isso é muito rico. E, além disso tudo, a Semed criou um sistema para se que pudesse acompanhar esses planos de desenvolvimento profissionais dos professores em probatório. Que esse programa continue sendo espelho e inspiração para todo o Brasil”, afirmou.

Há quatro anos no programa, a formadora Alessandra Pinheiro explicou que o trabalho é realizado diretamente nas escolas, acompanhando os professores em sala de aula ou dando orientações. “Os formadores se deslocam até a escola e fazem ações juntamente com os professores direcionadas aos alunos. É realizado o processo de diagnóstico e autoavaliação, para a construção de um plano de ação”, disse.

Experiências

Para o professor da Escola Municipal Rui Barbosa Lima, na zona Leste, Airton Saldanha, que se formou em 2018 e foi aprovado no concurso da Semed, começando a trabalhar na rede em fevereiro deste ano, se não houvesse a tutoria, ele passaria por muitas dificuldades. “Ser professor não é só estar dentro da sala de aula, mas ser um espelho onde você possa despertar a curiosidade, que pode ser o caminho para o aluno possa trilhar, que o mundo é para ser descoberto, não apenas vivido. Ser professor é mostrar o que existe de bom e explorar”, disse, ao comentar que o acompanhamento da tutoria fez com que ganhasse mais confiança ao iniciar os trabalhos na rede pública.

Planos

A coordenadora do Programa Tutoria Educacional, Adriana Barbosa, afirmou que nesses quatro anos houve muitos avanços atuando em áreas que vão além do intuito inicial, que era trabalhar com professores em estágio probatório, e que isso traz um grande retorno para a qualidade do processo de ensino e aprendizagem. “É muito importante ter uma metodologia de formação continuada em serviço, com a formação centrada nas escolas. Hoje, a Semed tem um núcleo de profissionais que pensam processos de formação, processos de gestão participativos, desenvolvimento profissional, isso é um ganho muito grande para a rede, porque agrega conhecimento técnico”, defendeu.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •