Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Na noite de terça-feira, o programa Gazeta Esportiva, da TV Gazeta, contou com a participação ao vivo de Rogério Ceni, técnico do Fortaleza. Perguntado sobre a questão dos treinadores estrangeiros no Brasil, o ex-goleiro destacou a preparação dos técnicos de fora do país, mas ressaltou que em solo nacional também há bons profissionais.

“A escola de treinamento para profissionalização de treinadores na Europa já existe há décadas. Então, é natural que os treinadores de fora tenham uma preparação melhor do que os daqui do Brasil. Isso é indiscutível. Agora, existem grandes treinadores lá fora, como existem aqui também, caras com boas ideias e preparados. Assim como vem gente lá de fora e três, quatro meses depois acaba não tendo sucesso no seu trabalho. Infelizmente, somos julgados pelo resultado no nosso país, não pela ideia, por você conseguir colocar aquela ideia de jogo, mesmo às vezes não tendo o resultado esperado. “, declarou o comandante do Leão.

O ídolo do São Paulo também opinou sobre a relação da imprensa com os técnicos estrangeiros. Ele afirmou que, por conta dos bons trabalhos recentes dos treinadores de fora do país, é natural que haja mais paciência com eles, enquanto os brasileiros são pressionados.

“Eu não tenho nada contra o pessoal da imprensa, mas, infelizmente, é a notícia que vende. O Coritiba perdeu quatro, treinador fora. O Goiás perdeu para a gente em Goiânia, entrou na zona do rebaixamento, treinador demitido. O Sport perdeu para o São Paulo, treinador demitido”, explicou.

“Para esses times, como é o Fortaleza, a briga é para permanecer na Série A. Claro que se pudermos chegar no nono lugar, que foi a melhor posição da história do Fortaleza no ano passado, seria fantástico. Mas, não há condições financeiras e geográficas de brigar por um título. Para a gente que briga naquela posição hoje, em 16º, é bastante pressão. Eu falo que só não tem pressão na hora que você não está mais no clube. Eu acho que é natural (a paciência com estrangeiros). O grande trabalho recente é de um estrangeiro, então é natural que as pessoas tenham um pouco mais de paciência”, acrescentou.

Rogério Ceni ainda exaltou o argentino Jorge Sampaoli, com quem passou uma semana enquanto estudava na Europa. O atual técnico do Atlético-MG comandava o Sevilla, da Espanha, na época.

“Eu estive com o Sampaoli em 2017, no Sevilla, passei uma semana acompanhando os treinamentos, e eu gosto muito dele. Ele teve, talvez, o grande resultado do ano, que foi o vice-campeonato brasileiro com o Santos, comparando com as condições financeiras do Flamengo. Agora, foi para uma equipe com um investimento muito grande e começou bem o campeonato”, disse o treinador.

“Quanto mais recursos financeiros, quanto mais você investir na sua carreira, quanto mais você estudar, se atualizar, e tiver um time em condições, há mais chances de ser campeão e fazer boas campanhas”, concluiu. (Gazeta Esportiva)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •