Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Se depender do parecer do procurador de Justiça, Flávio Ferreira Lopes, junto a Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Amazonas, o enfermeiro Ronaldo Augusto Ferreira de Souza, 42 anos de idade, continuará preso. O funcionário público é acusado de ter estuprado uma menor de 14 anos, no dia 18 de novembro do ano passado, tendo tido relações com a mesma dentro da Unidade Básica de Saúde do Posto Lourenço Borges, localizado no Bairro Japiim, Zona Sul de Manaus.

Em seu parecer no último dia 10 deste mês, o procurador opina pelo conhecimento do habeas corpus, mas quanto ao mérito, negue-lhe provimento, mantendo preso por força de mandado de prisão preventiva, expedido no dia 14 de janeiro pelo juiz Genesino Braga Neto, atendendo a pedido do delegado Guilherme de Andrade Antoniazzi, do 3º Distrito Integrado de Polícia.

Os autos estão nas mãos do desembargador Djalma Martins da Costa, da Segunda Câmara Criminal, que já pediu inclusão na pauta de julgamento do habeas corpus impetrado pelo enfermeiro.

Entenda o caso

O enfermeiro Ronaldo Augusto é acusado de ter estuprado uma menor de 14 anos, no dia 18 de novembro de 2013, tendo tido relações com a mesma dentro da UBS do Posto de Saúde Lourenço Borges, no Bairro Japiim. Pesa contra ele ainda outras acusações de estupros todos praticados dentro da Unidade Saúde.

A menor contou em depoimento no 3º DIP que o enfermeiro não deixou a sua mãe entrar no consultório para acompanhá-la, e que lá dentro foi dopada pelo mesmo, tendo sido obrigada a manter relações sexuais com ele.

No dia 30 de dezembro de 2013, outra vítima procurou o 3º DIP e disse que o enfermeiro Ronaldo Augusto trancou a porta do consultório médico e usando de violência obrigou a mesma a tirar a sua roupa, pegou em suas partes intimas e só não consumou o ato por que no momento da penetração, alguém bateu na porta.

As vítimas fizeram o reconhecimento do acusado através de fotos no 3º Distrito Integrado de Polícia, onde o delegado Guilherme de Andrade, representou pela prisão preventiva do acusado.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •