Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O deputado e Serafim Corrêa (PSB) declarou nesta sexta-feira, 17, que redução gradual dos incentivos ao polo de concentrados da Zona Franca de Manaus (ZFM), prometida pelo presidente Jair Bolsonaro, quinta-feira, 16, é letal para o modelo de desenvolvimento da região.

Segundo o parlamentar, a proposta de Bolsonaro além de cruel é indecorosa – uma espécie de convite inescrupuloso para as empresas com incentivos no polo de concentrados da Zona Franca de Manaus.

Na quarta-feira (15), o presidente Bolsonaro anunciou que o IPI para o polo de concentrado da ZFM será de 8% e que, em três anos, deve chegar a 4%.

“É uma maneira mais suave de a gente acabar com este subsídio”, disparou o presidente em vídeo gravado e publicado nas redes sociais.

“Esta medida espalha terror para os outros setores. Deixa apreensivo quem está instalado na ZFM e afasta quem planejava se instalar”, avaliou.

Em nota distribuída à imprensa, o deputado Marcelo Ramos criticou a decisão de Bolsonaro e disse que o presidente trai o seu compromisso com o povo do Amazonas e coloca milhares de empregos dos amazonenses no corredor da morte.

Veja a nota

“O anúncio, pelo presidente Jair Bolsonaro, de estabelecer o crédito de IPI (Imposto sobre Produto Industrializado) do concentrado de refrigerante em 8% neste ano, para em 2022 baixar a alíquota para 4% para quem compra o produto na Zona Franca de Manaus, trai seu compromisso com o povo do Amazonas e coloca o polo de concentrados e a ZFM, e consequentemente os empregos dos amazonenses, no corredor da morte.

A medida, como anunciada pelo presidente, apenas adia o problema e dá tempo para que as empresas preparem a saída de Manaus.”

Deputado Marcelo Ramos


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •