Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O deputado federal Sidney Leite (PSD) vai acionar o Ministério Público Federal (MPF) e o Tribunal de Contas da União (TCU) para que realizem uma tomada de contas especial no setor de saúde do Amazonas. A iniciativa tem como base o cenário caótico em que a saúde se encontra, em que profissionais do setor têm que entrar na Justiça para poder garantir o pagamento de salários atrasados, cirurgias e atendimentos estão sendo paralisados nos hospitais e a fila de espera por um procedimento cirúrgico, exames e consultas já ultrapassam 100 mil pessoas.

A informação foi dada pelo parlamentar durante comunicado de liderança, nesta terça-feira, 6, em discurso na tribuna da Câmara dos Deputados.

Para Sidney, o discurso da atual gestão estadual não bate com a realidade, em que afirma atravessar um momento crítico nas finanças, quando os números apresentam uma melhora na arrecadação estadual no primeiro semestre do ano.

Aliado a isso, o governo aprova uma lei estadual na Assembleia Legislativa, em que lhe dá poderes para congelar salários do funcionalismo público por um período de 2 anos e não honra com o pagamento antecipado da primeira parcela do décimo terceiro dos servidores que, tradicionalmente, saía em julho.

Segundo Leite, o governo poderia, se quisesse, antecipar pelo menos o décimo dos servidores da Educação, haja vista que há em caixa R$ 334 milhões de repasse do Fundeb. A informação pode ser conferida no site do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Além disso, acrescenta o deputado federal, o governo afirma não ter dinheiro, mas dispensa licitação milionária para uma empresa gerenciar o sistema prisional do Estado, onde um preso vai custar quase R$ 5 mil aos cofres. Para ele, falta compromisso com a população e com a gestão pública.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •