No Amazonas a legenda já tem mais de 10 mil filiados, no dia 17 do mês passado mais de 2 mil pessoas pediram filiação no partido
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Partido Social Liberal(PSL), do presidente Jair Bolsonaro, diz ter incorporado 188 mil associados em sua campanha de filiação iniciada em 17 de agosto. Com isso, ultrapassaria 459 mil quadros, um crescimento de 70% em relação aos 271 mil que constam nos dados do Tribunal Superior Eleitoral de agosto.

No Amazonas 2.137 solicitaram a filiação durante a campanha realizada no do mês passado e hoje a sigla já ultrapassa os 10 mil filiados no estado. A legenda é comandada pelo deputado federal Pablo Oliva, e do deputado estadual Péricles Nascimento. A campanha nacional de filiação, com ações em todas as capitais do País, de Manaus aconteceu no hotel Da Vinci.

O partido já tem até nome para Prefeito de Manaus, o empresário Romero Reis, da DR Engenharia, que tem as bênçãos do presidente Jair Bolsonaro para a disputa pela legenda.

Dobrar Filiados

Os dirigentes do partido querem dobrar o número de filiados até outubro deste ano e chegar a 1 milhão até as eleições de 2020.

No entanto, nem todo pedido de filiação é deferido. Quem solicita, precisa estar em pleno gozo dos direitos políticos para ser aceito. É vedada, por lei, a dupla filiação. A Justiça Eleitoral ainda analisa os dados .

O número chama atenção. O mês com mais filiações do partido foi outubro do ano passado: 20.000 novos membros. Se confirmados os dados, a campanha teria multiplicado por 9 o próprio recorde da legenda.

BOLSONARO MIRA EM 2020

Bolsonaro já afirmou que pretende controlar as ações do partido para conseguir o comando de mais prefeituras nas eleições municipais do ano que vem.

“Estou acertando com o partido para ver se eu consigo ter a maioria das ações. Se eu tiver, quero me empenhar por algumas prefeituras e quem vai escolher, democraticamente, vai ser eu. O partido local vai ter sua participação, mas a palavra final vai ser nossa. Se não  quiser, não tem problema nenhum. Não entro na campanha daquele município. O que eu quero é uma pessoa que tenha o coração verde e amarelo igual ao nosso.”

Na última eleição municipal, em 2016, o partido conquistou as prefeituras de apenas 30 cidades. Nenhuma no G93 (grupo das 26 capitais e 67 municípios com mais de 200 mil eleitores).

Por que isso importa?

O PSL é para Bolsonaro o que o PRN (hoje extinto) foi para Fernando Collor: partidos postiços, sem organicidade nem ideologia definida.

O chefe do PSL é 1 político tradicional de Pernambuco, Luciano Bivar. Sua trajetória contradiz tudo o que Bolsonaro fala sobre renovação na política. O partido é 1 ajuntamento de 53 deputados que só foram eleitos por terem surfado na onda bolsonarista de 2018.

Nesse contexto, a tentativa do PSL é não repetir a história do PRN. Quer se firmar como agremiação partidária. Segurar Bolsonaro dentro da legenda. Ocorre que filiar eleitores de maneira maciça em todo o país parece ser algo artificial. Pouco eficaz para dar cara à legenda.

Para virar um partido de fato é necessário definir uma política clara sobre os princípios que defende e seguir a orientação dentro do Congresso. Não há sinais de que isso vá acontecer. (Com o Poder 360)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •