Brasília - O deputado Jair Bolsonaro discute com a deputada Maria do Rosário durante comissão geral, no plenário da Câmara dos Deputados, que discute a violência contra mulheres e meninas, a cultura do estupro, o enfrentamento à impunidade e políticas públicas de prevenção, proteção e atendimento às vítimas no Brasil. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Sindicato dos Delegados de Polícia Federal de São Paulo (SINDPF-SP) divulgou nesta quinta uma nota de repúdio às declarações do presidente Jair Bolsonaro que tratam da exoneração do superintendente regional da Polícia Federal no Rio.

Durante café da manhã com jornalistas na manhã de hoje, Bolsonaro deu a entender que foi o responsável pela troca Ricardo Saadi por Carlos Henrique Oliveira.

A fala causou desconforto na PF, já que o nome foi decidido pelo diretor-geral da Policia Federal, Maurício Valeixo.

“A escolha de superintendentes compete ao Diretor-Geral da Polícia Federal e a fala do presidente, mais que desrespeitosa, atenta contra a autonomia da Polícia Federal”, diz trecho do comunicado.

Leia abaixo a íntegra da nota:

O Sindicato dos Delegados de Polícia Federal no Estado de São Paulo (SINDPF-SP) manifesta seu repúdio às declarações dadas pelo presidente da República acerca da exoneração do superintendente regional da Polícia Federal no Rio de Janeiro. Evocando um “sentimento” e alegando motivo de “produtividade”, Bolsonaro anunciou sua decisão durante entrevista a jornalistas no Palácio da Alvorada, em Brasília.

A escolha de superintendentes compete ao Diretor-Geral da Polícia Federal e a fala do presidente, mais que desrespeitosa, atenta contra a autonomia da Polícia Federal.

A PF é uma instituição de Estado e deve ter autonomia para se manter independente e livre de quaisquer ingerências políticas. Por isso é tão urgente que se aprove a PEC 412, que tramita há 10 anos no Congresso Nacional para garantir a autonomia da instituição.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •