O governador Amazonino Mendes (PDT) compareceu na noite da última sexta-feira, 13, ao salão de eventos Dulcila Festas e Convenções, na Ponta Negra, Zona Oeste de Manaus, onde se encontrava a nata da polícia amazonense, para um forte e fraterno abraço no mais importante adversário político desde que ingressou para a vida pública: o prefeito Arthur Virgílio Neto.

No Dulcilas- palco escolhido pelo PSDB para homenagear os 40 anos de vida pública do prefeito Arthur Virgílio Neto -,  Amazonino parecia feliz e, ao falar com a imprensa, não faltaram afagos para o impiedoso adversário.

“Estou aqui para render as minhas homenagens a um homem admirável, a um amazonense de scool, que despontou no cenário político nacional, ocupou cargos importantes na República – um dos mais respeitáveis tribunos que já passaram pelo Congresso Nacional. São 40 anos de luta, trabalho, perseverança, dedicação, vitórias, derrotas – é uma figura especial”, admite.

Sobre uma possível aliança político administrativa com o prefeito de Manaus, Amazonino Mendes confirmou que, no momento, a coisa que  mais pensa é em  ajudar a prefeitura de Manaus.

Arthur Neto, sempre ao lado do governador, declarou que aliança da prefeitura de Manaus com o governo do Amazonas não só torna real a possibilidade de trabalho para o bem de Manaus e do povo mas, também, reforça a força do governado em defesa das conquistas e dos direitos da Zona Franca de Manaus.

“Irmanados com os nossos deputados e senadores lutaremos para que não tirem da ZFM pólo de concentrados. “Não vamos abrir mãos de termos em Manaus a indústria de concentrados”, destaca.

Membros do Diretório Estadual do PDT, afirmaram que a reação do presidente da legenda, Hissa Abrahão, contrário à aliança Amazonino x Arthur,  é uma retaliação ao fato de não ter apoio do governador Amazonino à sua reeleição.

Afirmam ainda que Hissa Abrahão demonstra  desespero por não contar com o apoio de Amazonino Mendes, que trabalha pela eleição das candidaturas a federal de Átila Lins (PP) e Bosco Saraiva (SD).