Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Quem esteve no Centro de Manaus neste fim de semana ficou impressionado com a imagem que viu, os 650 camelôs que ocupavam as avenidas Eduardo Ribeiro e Sete de Setembro e a Praça da Matriz, já não estão mais nas ruas, eles ocupam três galerias provisórias nas ruas Epaminondas, Floriano Peixoto e Miranda Leão.

“Eu sempre disse que a solução tinha que ser boa pra cidade, fundamentalmente, mas também boa para os camelôs. Estamos oferecendo capacitação, financiamento com juros menores e pra começar a ser pago daqui a 7,5 anos e se isso tudo está acontecendo é porque os camelôs entenderam as mudanças pela qual a cidade tem que passar. Sem eles, nada teria dado certo. Eles estão de parabéns”, declarou o prefeito Arthur Neto.

Os camelôs que aderiram à transferência receberão uma bolsa equivalente a R$ 1 mil, durante o tempo em que permanecerem nos camelódromos provisórios, sem necessidade de restituir nada à prefeitura. Os recursos para o pagamento da bolsa são do Fumipeq e a única condição é que eles participem de cursos de qualificação. A ordem do prefeito é que os recursos já estejam disponíveis para os camelôs a partir desta segunda-feira, 24. Já os trabalhadores que quiserem montar um novo negócio, longe do comércio de rua, terão a oportunidade de um financiamento de R$ 10 mil, com pagamento facilitado.

“A nossa saída está sendo pacífica e acreditamos na palavra do prefeito quando ele diz que vai fazer de tudo para melhorar a nossa situação. Entendemos que a mudança virá a longo prazo, pois todo mudança tem o seu tempo. Até povo se acostumar a ir nas galerias vai demorar um pouco, mas temos os nossos clientes, que já nos procuram e num futuro próximo estaremos ganhando mais do que nas ruas”, afirmou o camelô Ayrton Selestino.

Nem mesmo a forte chuva deste domingo interrompeu o trabalho desenvolvido pela prefeitura. Nove caminhões, 50 trabalhadores terceirizados e 100 servidores de diversas secretarias estiveram envolvidos na transferência. A cada barraca retirada, uma nova face do Centro ia sendo revelada, para satisfação dos pedestres que passavam pelo local.

“Nós estamos vendo hoje uma limpeza total da Eduardo Ribeiro. E isso aqui é só o começo. Vai mudar até o comportamento das pessoas que vêm fazer compras no Centro”, disse o empresário Swames Araújo. Quem também gostou da liberação das calçadas foi a dona de casa Ana Maria Trindade. Segundo ela, como agora vai ser mais fácil fazer compras ela deve ir ao Centro com mais frequência. “Antes a gente tinha que se espremer pra andar por aqui. Lojistas, camelôs e clientes. Agora, olha como tá bonito? Parece que a calçada está bem maior do que era”, brincou.

Espaços definitivos

Os vendedores que foram transferidos neste final de semana para as galerias provisórias, em breve estarão de casa nova, em espaços definitivos que estão sendo construídos ou adaptados especialmente para esta finalidade.

A Galeria Espírito Santo terá capacidade para abrigar 326 trabalhadores, em aproximadamente três mil metros quadrados de área. Já a Galeria dos Remédios, no antigo Posto Sete, na avenida Miranda Leão, abrigará mais 361 comerciantes em área aproximada de 5 mil metros quadrados. A maior das estruturas será a do Shopping T4, entre o Terminal de Integração do Jorge Teixeira e a Bola do Produtor, com área de 18 mil metros quadrados, com capacidade para receber 700 microempresários. O shopping oferecerá 300 vagas de estacionamento.

Como parte do projeto, o local oferecerá ainda pista de caminhada com faixa verde ao redor, três quadras esportivas e vestiários públicos. “Para atrair um movimento maior de pessoas, está no projeto do espaço um supermercado e a criação de uma nova rua, que se conectará com a avenida Camapuã”, explica Troost. Também estão no projeto espaços destinados a restaurantes e uma unidade do serviço de Pronto Atendimento ao Cidadão (PAC).

Já a Galeria dos Remédios possui desenho arquitetônico que valorizar a vista para o rio Negro. No último andar, estarão amplos decks, além de restaurante e tacacaria. Houve a preocupação com a acessibilidade em todos os andares com a inclusão de rampas ou de elevadores para pessoas com deficiência e com mobilidade reduzida.

Dentre as obras, a mais adiantada é a da Galeria Espírito Santo, cujo projeto, inclusive, já garantiu aval do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Na arquitetura das galerias, as estruturas terão mezaninos.

Cada box das Galerias Populares terá, em média, quatro vezes mais espaço que as bancas exposta nas ruas de Manaus. Os espaços para cada comerciante também incluirão depósito, tomadas elétricas e pontos de luz.

LIMPEZA

O prefeito Arthur Neto, esteve pessoalmente acompanhando a limpeza das calçadas

Assim que as primeiras bancas foram retiradas, equipes da Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp) deram início às ações de limpeza na avenida Eduardo Ribeiro.

De acordo com o secretário da Semulsp, Paulo Farias, com a relocação dos camelôs, a secretaria vai dar início a colocação de lixeiras por todo o Centro. “Eles estão saindo e o nosso trabalho passa a ser direcionado para outras vertentes. A quantidade de lixo que era despejada nas ruas no final da tarde vai diminuir e agora teremos espaço para colocar as lixeirinhas e, com isso, a população poderá fazer o descarte correto do lixo”, declarou.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •