A Câmara Federal irá acompanhar a investigação e levantamento do acervo que restou no Museu Nacional, Rio de Janeiro, após um incêndio de grandes proporções no local. A medida será aplicada por meio de um requerimento protocolizado pelo membro da Comissão de Educação da Casa, o deputado federal Gedeão Amorim (MDB-AM).

Gedeão explica que o requerimento será apresentado na Comissão de Educação, solicitando a criação de uma Subcomissão para analisar o tamanho da destruição na estrutura e no acervo do Museu Nacional além de acompanhar as investigações policiais.

“A Câmara Federal não pode ficar à margem desse caso. Em sete meses de mandato, fiz audiências públicas para debater o abandono e sucateamento de institutos de pesquisas no Amazonas e no País. Não podemos planejar o presente sem preservar a nossa História e incentivar a pesquisa. O que aconteceu foi uma grande tragédia”, lamentou o deputado.

O parlamentar informou que apresentará outros requerimentos pedindo esclarecimentos ao Ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, sobre esse corte tão abrupto no orçamento do Museu Nacional. “Com base em informações que saíram na imprensa, o museu estava com orçamento bastante reduzido desde 2016 e vinha se mantendo assim apesar da precária estrutura do local”, disse.  

De acordo com informações da imprensa, o Museu Nacional deveria receber R$ 515 mil anuais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), à qual é vinculada, em três parcelas. No entanto, nos últimos três anos, segundo a direção do museu, eram destinados apenas R$ 300 mil, com cortes de verba na própria universidade.  

Causas

Oficialmente, o Corpo de Bombeiros informou que ainda não há dados sobre as causas do incêndio. Ontem, os funcionários do museu relataram problemas na obtenção de água para apagar o fogo e dois hidrantes não funcionaram no momento em que os bombeiros estavam no local.

Como o museu está em uma colina, no parque nacional, há uma série de limitações para o fornecimento de água. Os bombeiros confirmaram que o abastecimento de água foi feito por carros-pipa, cedidos pela companhia de água e esgoto do Rio de Janeiro.

O incêndio no museu iniciou por voltas das 19h30 minutos e só foi controlado pelo Corpo de Bombeiros apenas por volta das 3h da manhã desta segunda-feira, 3, deixando um grande rastro de destruição no acerto. Não houve registro de feridos.