O Conselho Deliberativo do Santos aprovou dois pedidos de impeachment contra o presidente José Carlos Peres, encabeçados por Alexandre Santos e Silva e Esmeraldo Tarquínio Neto. O mandatário irá recorrer na Justiça.

O primeiro pedido teve 165 votos a favor, 74 contra, um branco e dois nulos. Dois votos não foram computados. O segundo teve 164 votos a favor, 72 contra, dois nulos e um branco. Em ambos, 2/3 do Conselho aprovou, o suficiente de acordo com o Estatuto Social.

A primeira votação foi polêmica porque membros do Comitê de Inquérito e Sindicância participaram. O advogado de Peres solicitou recontagem dos votos, o processo foi paralisado e, na sequência, o presidente do Conselho, Marcelo Teixeira, confirmou o “sim” pelo impeachment.

A decisão final será dos associados em assembleia geral que deve ocorrer no dia 29 de setembro, na Vila Belmiro. O vice-presidente Orlando Rollo assumiria no caso do “sim” da maioria simples dos torcedores filiados – metade mais um. Por enquanto, Peres continua no poder.

Associados com um ano de filiação e adimplentes terão direito ao voto na assembleia. Torcedores afirmam que já foram procurados para vender o “sim” ou o “não” ao impeachment em troca de renegociação de dívidas com o clube. Até o momento, porém, nenhum movimento suspeito foi identificado no departamento social do Santos.

Os pedidos de impeachment foram baseados no possível descumprimento de três artigos do Estatuto Social (veja abaixo). O presidente assumiu o Santos como sócio de uma empresa aberta de agenciamento de atletas. A firma foi fechada após o início das investigações.

Artigo 61, parágrafo 3º
Os membros do Comitê de Gestão são impedidos de ter qualquer tipo de relacionamento profissional com o Santos, direta ou indiretamente, ou ser procurador de atletas, empresário de atletas, agente de atletas ou sócio de pessoas jurídicas que exerçam tais atividades

Artigo 68, alínea B 
São motivos para pedir o impedimento do Presidente e do Vice-Presidente do Comitê de Gestão do Santos: (b) ter ele acarretado, por ação ou omissão, prejuízo considerável ao patrimônio ou à imagem do Santos

Artigo 68, alínea D
São motivos para pedir o impedimento do Presidente e do Vice-Presidente do Comitê de Gestão do Santos: (d) ter ele infringido, por ação ou omissão, expressa ordem estatutária

Artigo 77
O Comitê de Gestão poderá propor a criação e/ou extinção de Superintendências, Gerências e Divisões para compor a Administração Executiva do Santos, desde que com a aprovação do Conselho Deliberativo e após parecer favorável da Comissão de Estatuto. Conforme o disposto nas Disposições Transitórias deste Estatuto, o Comitê de Gestão deverá desenvolver a estrutura ideal para a Administração Executiva do Santos, podendo, para tanto, contar com o auxílio de consultores externos. (Gazeta Esportiva)