Mais de 300 articuladores e educadores dos municípios do Amazonas participaram, ontem (2/8), do lançamento da revisão preliminar do Documento Curricular do Amazonas, promovido pela Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc) e a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação no Amazonas (Undime-AM).

O evento aconteceu no auditório do Centro Universitário de Ensino Superior do Amazonas (Ciesa), bairro Flores, zona Centro-Sul de Manaus, e foi transmitido para todos os municípios do Amazonas pelo Centro de Mídias da Seduc, no Japiim, zona Sul.

O documento curricular foi elaborado por meio do Programa de Apoio à Implementação da Base Nacional Comum Curricular (ProBNCC), instituído pelo Ministério da Educação (MEC), e tem como objetivo apoiar os Estados no processo da revisão ou elaboração e implementação dos currículos alinhados à BNCC. A próxima fase será uma consulta pública que ficará disponível em uma plataforma online do MEC, no período de 6 a 17 de agosto. “Esse será o momento em que contamos com a participação de toda a sociedade, para que possa contribuir também com o seu olhar sobre a educação e possamos ter um currículo democrático”, afirmou o analista de Gestão do Programa de Implementação da BNNC no Amazonas, Igor Queiroz.

Representantes dos setores da Secretaria Municipal de Educação (Semed) participaram do evento para discutir e alinhar alguns pontos do documento.

A secretária da Semed, Kátia Schweickardt, destacou o desafio de fazer educação no Amazonas, devido aos fatores geográficos e as diversidades do Estado. Ela enfatizou, ainda, a importância das discussões e participação dos educadores e sociedade civil organizada na elaboração e sugestões da base. “A oportunidade de produzirmos um currículo que tenha a cara do nosso Estado vem reforçar esse nosso compromisso – com uma educação de qualidade. Temos que fazer valer para mostrar ao Brasil que somos do Norte, somos fortes e fazemos uma educação de qualidade”, salientou.

O Amazonas foi um dos primeiros Estados a encaminhar a proposta curricular ao MEC antes da consulta pública que acontece ainda este mês. A pesquisa foi realizada nas escolas por meio de formulários online. “A educação só funciona quando é feita pelos professores e esse é um dos motivos do nosso currículo dar certo, porque foi elaborado por quem está dentro da sala de aula e está levando em consideração o que é interessante aos nossos alunos. O Amazonas ainda será um exemplo de educação a ser seguido no Brasil”, afirmou o secretário-executivo de Educação da Seduc, Marcelo Campbel.

Para o presidente da Undime-AM, Edelson Penaforth, ter a participação de vários representantes dos municípios e lançar um trabalho realizado por várias mãos que buscam apenas uma educação básica padrão mostra a seriedade e a diversidade consideradas na elaboração do documento. “Todos nós somos professores, mas acima disso somos cidadãos e, com isso, estamos iniciando esse processo que será um divisor nas nossas vidas e, principalmente, para aquele professor que vivencia o chão da sala, para crianças e adolescentes que terão uma educação garantida com a elaboração desse currículo”, disse Penaforth.