Compartilhe
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    1
    Share

O colunista do site da revista Época, coluna Expresso, Murilo Ramos, publicou na última quarta-feira (12), um texto nada simpático contra o empresário José Tadros, presidente da Fecomércio do Amazonas.

De acordo com nota, intitulada “Sesc do Amazonas aluga imóvel de empresa que pertence a dirigente da entidade”, O Sesc teria alugado em fevereiro de 2015 por R$ 18 mil um prédio comercial em Manaus com a empresa Tropical Comércio de Derivados de Petróleo Ltda.

Até aí nada demais. Ocorre que a nota traz uma informação reveladora: um dos donos da empresa é nada menos do que Roberto Tadros, conforme pesquisa realizada pelo colunista na Junta Comercial do Estado do Amazonas.

Tadros se defende e, em nota enviada faz o seguinte esclarecimento: “O Sesc/AM ocupa um prédio de propriedade da empresa Tropical Comércio de Derivados de Petróleo Ltda por meio de contrato de comodato, ou seja cedido sem qualquer custo para a entidade”.

Leia a matéria completa

O Sesc do Amazonas firmou, em fevereiro de 2015, contrato de aluguel de um prédio comercial em Manaus, por até cinco anos, no valor de R$ 18 mil mensais com a empresa Tropical Comércio de Derivados de Petróleo Ltda. Um dos donos da empresa, segundo registro na Junta Comercial do estado, é José Roberto Tadros. Ele é presidente da Fecomércio-AM e dirigente do Sesc. Tadros é favoritíssimo na disputa para comandar a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A eleição está marcada para o final de setembro.

A candidatura de Tadros para a presidência da CNC conta com a benção de Antônio José Domingos de Oliveira, que está à frente da entidade há 38 anos. No ano passado, as receitas da CNC, Sesc e Senac superaram R$ 11 bilhões.

Atualização – após a publicação da notícia, o presidente da Fecomércio do Amazonas, José Roberto Tadros, encaminhou a seguinte nota:

“O Sesc/AM ocupa um prédio de propriedade da empresa Tropical Comércio de Derivados de Petróleo Ltda por meio de contrato de comodato, ou seja cedido sem qualquer custo para a entidade. Este contrato foi assinado em fevereiro de 2017, já foi renovado e será valido enquanto for necessário para o Sesc/AM.

A iniciativa deu-se justamente para pontuar, com clareza, a postura correta e responsável do presidente Tadros e assegurar ao Sesc/AM que, enquanto seja necessário, a unidade esteja instalada em condições adequadas, com custo zero de aluguel, sem com isso suscitar qualquer questionamento”.

 


Compartilhe
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    1
    Share